Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Imprensa dos EUA chama 'radares voadores' russos A-50U de 'perigo mortal'

A Força Aeroespacial da Rússia receberá em serviço mais dois aviões de sistema aéreo de alerta e controle A-50U (AWACS). Estes veículos proporcionam informações valiosas à aviação militar. Os "radares voadores" são capazes de detectar alvos aéreos a até 650 km.


Sputnik

A primeira aeronave A-50U foi entregue às Forças Armadas da Rússia em 2011. Desde então, esses aviões têm sido usados ativamente pelas forças russas, inclusive durante operações antiterroristas na Síria.

A-50 – aeronave do Sistema Aéreo de Alerta e Controle (AWACS) da Rússia
Beriev A-50 © Alex Beltyukov / Wikipedia

"Os radares voadores", pelo visto, vigiaram as ações da Força Aérea dos países ocidentais que operavam no espaço aéreo sírio, escreveu o portal Military Watch.

Podendo coordenar até dez aviões militares simultaneamente em missões aéreas, os aviões russos de AWACS representam um perigo mortal agindo com veículos aéreos que portam mísseis R-33/37 e mísseis de cruzeiro Kh-35, de acordo com a edição.

Devido a uma maior distância de detecção e capacidades de vigiar alvos aéreos, os "radares voadores" russos podem apontar mísseis contra alvos localizados a até 400 quilômetros, acrescentaram os autores da matéria.

Hoje na Rússia estão sendo elaborados novos "radares voadores" A-100. Este avião é dotado de um novo sistema de radar polivalente e de motores mais potentes. Prevê-se que os A-100 sejam adotados em serviço em 2020, junto com os novos caças russos Su-57 e MiG-35.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas