Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Insurgentes de Idlib falam em 'união' contra acordo entre Turquia e Rússia

Dois grupos de insurgentes rejeitaram o acordo realizado entre Rússia e Turquia este mês, que estabelece uma zona desmilitarizada na província de Idlib. Um dos grupos afirmou neste domingo (23) que o acordo busca "enterrar a revolução".


Sputnik

A rejeição do acordo por parte de alguns grupos de militantes demonstra problemas que poderão surgir nas próximas semanas, conforme se aproxima o prazo para desmilitarizar a zona, o que foi planejado para acontecer em outubro.

Soldados do Exército sírio na província de Idlib (foto de arquivo)
Militares sírios em Idlib © Sputnik / Ilia Pitalev

Segundo a agência Associated Press, as declarações também evidenciam a divisão entre os grupos militantes, já que algumas facções insurgentes apoiadas pela Turquia, como o Frente Nacional de Libertação, apoiaram o acordo.

O grupo Horas al-Din, que traduzido do árabe significa Guardiões da Religião, chamou o acordo que estabeleceu uma zona desmilitarizada de 15-20 quilômetros de extensão, com tropas da Rússia e da Turquia, que é membro da OTAN, de "grande conspiração". O grupo é considerado o maior de toda a província de Idlib.

Outros grupos, como a Frente Ansar al-Din, lançaram um comunicado neste domingo (23) chamando todos os grupos da região para se unirem e deixarem as diferenças de lado.

A província de Idlib é considerada a última fortaleza de insurgentes na Síria. Na sexta-feira (21), o Ministério da Defesa da Turquia relatou ainda que as áreas da fronteira desmilitarizada estabelecida pelo acordo foram escolhidas pela Rússia.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas