Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Israel anuncia que continuará agindo contra reforço da presença iraniana na Síria

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, comunicou que tinha chegado a um acordo com o presidente russo, Vladimir Putin, para realizar nos próximos tempos um encontro entre delegações militares da Rússia e Israel para discutir a coordenação de ações na Síria.


Sputnik

"Nós como sempre vamos atuar contra o reforço da presença iraniana na Síria e continuaremos a coordenação entre as Forças de Defesa de Israel e as Forças Armadas da Rússia", afirmou o primeiro-ministro de Israel Benjamin Netanyahu.

Primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, visita um posto militar durante uma visita ao Monte Hermon, nas Colinas de Golã sob controle israelense, com vista para a fronteira entre Israel e Síria (foro de arquivo)
Benjamin Netanyahu © AP Photo / Baz Ratner

Durante a semana passada, o primeiro-ministro de Israel falou duas vezes por telefone com o presidente russo Vladimir Putin. Segundo Netanyahu, eles chegaram a um acordo para efetuar um encontro entre delegações militares dos dois países para discutir a coordenação de ações na Síria.

Depois da derrubada do avião Il-20 russo na Síria na semana passada, a Rússia anunciou a entrega de sistemas de defesa antiaérea S-300 russos e de modernos sistemas automatizados para os postos de comando da defesa antiaérea ao governo da Síria.

Em 2013, a Rússia suspendeu o fornecimento de sistemas S-300 à Síria a pedido de Israel, que receava uma limitação da liberdade de ações de Israel no espaço aéreo sírio. Mas depois do incidente com Il-20 Moscou se viu obrigada a tomar medidas de resposta adequadas e destinadas a aumentar a segurança dos militares russos, sublinhou o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas