Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Israel continuará 'renovando e fortalecendo' instalações nucleares devido a ameaças do Irã

Governo israelense mostra vontade de continuar "renovando e fortalecendo" suas instalações nucleares em resposta às ameaças provenientes do Irã, segundo assegurou o chefe da Comissão Israelense para a Energia Atômica, Zeev Snir.


Sputnik

De acordo com Snir, que discursava na conferência geral da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), a parte israelense "não pode ignorar as ameaças repetidas e inequívocas por parte do Irã e de seus fantoches sobre ataques contra instalações nucleares de Israel".

Premiê israelense, Benjamin Netanyahu, apresentando materiais sobre o suposto programa nuclear iraniano em Tel Aviv
Benjamin Netanyahu © AP Photo/ Sebastian Scheiner

"Essas ameaças escandalosas exigem que Israel tome medidas e continue a proteger e defender suas instalações nucleares. Para sermos capaz de repelir qualquer ataque, esses objetos são frequentemente sujeitos a modernização e reforço de acordo com as instruções de segurança da AIEA", declarou.

No mês passado, cientistas nucleares israelenses discutiram estudos revelando o que aconteceria se um míssil atingisse um dos reatores. De acordo com uma pesquisa publicada no Journal of Nuclear Engineering and Radiation Science no ano passado, um míssil Scud caindo a 35 metros do reator poderia causar danos à sua cúpula de proteção e interromper os sistemas de controle responsáveis por operá-lo e resfriá-lo.

As relações entre Israel e o Irã estão tensas devido às acusações de Tel Aviv de que Teerã não teria reduzido seu programa nuclear. Além disso, o Estado israelense também critica a suposta retórica hostil do Irã em apoio ao governo sírio e ao movimento Hezbollah libanês, que já entrou em confronto com Israel.

Vale destacar que as autoridades iranianas, por suas ambições nucleares, expansão regional e retórica anti-israelense, foram rotuladas pelos israelenses como ameaça número um para a segurança nacional.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas