Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Fuzileiros Navais do Brasil e dos EUA ratificam acordo de cooperação

Diálogo conversou com o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil (MB) Nélio de Almeida para conhecer detalhes dessa parceria
Por Marcos Ommati | Diálogo Américas | Poder Naval

Criar mais oportunidades de intercâmbio de conhecimento e treinamento combinado entre os Fuzileiros Navais do Brasil e dos Estados Unidos. Este é o objetivo principal de um plano de cinco anos ratificado em fevereiro de 2019 entre os representantes de ambas as forças, o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil Nélio de Almeida, comandante do Desenvolvimento Doutrinário do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) do Brasil e presidente nacional da Associação de Veteranos desta força, e o Contra-Almirante Michael F. Fahey III, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais Sul dos EUA (MARFORSOUTH, em inglês). O C Alte Nélio recebeu Diálogo em seu escritório na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, para dar detalhes do acordo e conversar sobre outros temas de interesse das marinhas do Brasil e de outros países da região e dos E…

Marinha do Brasil inicia série de operações conjuntas intercontinentais

A Marinha do Brasil iniciou na África do Sul a primeira de uma série de operações que visa ao aprimoramento operacional e a troca de experiência com armadas de países de três continentes.


Sputnik

Desde 31 de agosto e até 20 de setembro, militares brasileiros participam da 11.ª edição da Operação Atlasur. Em entrevista à Sputnik Brasil, o encarregado da Divisão de Adestramento e Emprego de Meios do Comando de Operações Navais, capitão-de-mar-e-guerra Rogério Salles, afirmou que a operação visa à manutenção da segurança do Atlântico Sul junto à comunidade marítima.

Submarino da Marinha brasileira da classe tupi (arquivo)
© Foto : Marinha do Brasil/Divulgação

"A Operação Atlasur tem por objetivo realizar operações combinadas com as marinhas da África do Sul, da Argentina e do Uruguai, de modo a contribuir para a interoperabilidade entre as forças e a manutenção da segurança do Atlântico Sul junto à comunidade marítima, além de fortalecer laços de amizade entre os países participantes", explica o oficial.

Essa é a primeira ação do efetivo liderado pela Corveta Barroso, um helicóptero com destacamento aéreo embarcado e um uma equipe de mergulhadores de combate, totalizando, segundo a corporação, um número de aproximadamente 180 militares.

Durante a operação haverá integração da Marinha brasileira com a dos outros países "principalmente durante a condução dos exercícios, ocasião em que os navios participam de diversas operações e ações de guerra naval, atuando como uma força combinada e com um objetivo comum", destaca o capitão.

Após o termino da Operação Atlasur, o efetivo seguirá para o porto de Maputo, em Moçambique, onde participará de eventos programados da política externa brasileira, em apoio à Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste).

A Corveta Barroso finaliza essa série de operações da Marinha do Brasil participando da Operação Ibsamar, que ocorre bianualmente, desde 2008, com a participação das marinhas da Índia e da África do Sul. Neste ano, os exercícios serão realizados em 1 e 13 de outubro, na costa sul-africana, e serão empregados os portos sede de Simon’s Town e Cape Town, na África do Sul.

Segundo o capitão-de-mar-e-guerra Rogério Salles, o objetivo desta ação, que envolve navios, submarinos, aeronaves e tropas das três armadas, é promover a interoperabilidade entre as marinhas.

"O objetivo principal da operação é promover a interoperabilidade entre as marinhas e a troca de conhecimentos profissionais, elevando a confiança entre as nações e contribuindo para a segurança da região oceânica de interesse dos países. Representa o aspecto marítimo do Fórum de Diálogo IBAS", afirma o oficial.

Durante a operação, serão realizados exercícios característicos de guerra naval, atividades de emprego limitado da força e atividades benignas, como, por exemplo, operações de ataque, interdição marítima, proteção do tráfego marítimo, especiais, de esclarecimento, antissubmarino, contra ameaças assimétricas, dentre outras.

Para Salles, essa série de operações é importante para a troca de conhecimentos profissionais entre os militares.

"A troca de conhecimentos profissionais e informações decorrente de uma operação multinacional incrementa a interoperabilidade entre as marinhas envolvidas. Além disso, promove o aumento da confiança mútua entre as nações e, consequentemente, aumenta a segurança da comunidade marítima no Atlântico Sul", destaca o capitão.

Anualmente, a Marinha do Brasil participa de várias operações em conjunto com outras forças navais. Entre elas, destacam-se Unitas Amphibious e Atlântico, Fraterno, Bracolper, Obangame Express, Caribex e Platina.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas