Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Militar sobre entrega de S-300 russos à Síria: esta ainda não é resposta ao abate do Il-20

O ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, anunciou na segunda-feira (24) que o país entregará sistemas de defesa aérea S-300 à Síria. O analista militar Ali Maqsud acredita que a medida contribuirá para a diminuição da agressão contra Damasco.


Sputnik

Segundo o ministro russo, os sistemas são capazes de interceptar meios de ataque aéreo à distância de mais de 250 quilômetros e atingir ao mesmo tempo vários alvos aéreos, reforçando significativamente as capacidades da defesa antiaérea síria.

O sistema de mísseis S-300 terra-ar com alcance de 100 km
S-300 Favorit © Sputnik / Uriy Shipilov

Shoigu lembrou que em 2013 a Rússia suspendeu a entrega dos S-300 à Síria a pedido de Israel, mas que agora a situação mudou "não por culpa da Rússia", referindo-se ao incidente com o avião Il-20.

O general aposentado sírio Ali Maqsud comentou a notícia em entrevista à Sputnik Árabe, frisando que a entrega de S-300 mudará o balanço de forças na região.

"A decisão da Rússia de fornecer sistemas de defesa antiaérea S-300 à Síria mudará o balanço de forças e não deixará as longas mãos de Israel e do Ocidente alcançarem Damasco. Será um fator de dissuasão da agressão contra a Síria", opinou.

Para Maqsud, ao fornecer estes armamentos, Moscou anunciou o fechamento do espaço aéreo sírio para a aviação dos países ocidentais e de Israel. Porém, a entrega dos S-300 não é ainda a resposta completa a Israel após o abate do Il-20.

"São apenas os primeiros passos, a resposta ainda está para chegar. Ninguém sabe como a Rússia responderá. Mas lembramos que, quando a Turquia derrubou o avião russo [Su-24 em novembro de 2015], as medidas de resposta tiveram bastante influência em Ancara", disse o analista sírio.

O combate ao terrorismo no país árabe continua, e o general acredita que os sistemas russos serão um grande apoio para o exército sírio e que, agora, já não haverá razões "para este se preocupar com a segurança de seu espaço aéreo". "Tudo está indicando que a Síria será libertada completamente dos terroristas", concluiu.

Além dos S-300, Moscou fornecerá à Síria modernos sistemas automatizados para os postos de comando da defesa antiaérea, que permitem a monitorização do espaço aéreo. A defesa russa também disse que, nas regiões do mar Mediterrâneo adjacentes à Síria, será efetuada a supressão da navegação por satélite, emissões radioeletrônicas e radares dos aviões de combate que ataquem o território sírio.

O avião russo Il-20, a bordo do qual seguiam 15 militares, foi derrubado por um míssil de um sistema S-200 do exército sírio, na noite da segunda-feira (17), matando todos os tripulantes. Segundo afirmou o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, a aeronave foi derrubada por mísseis sírios em resposta às ações da aviação israelense, que usou o avião russo como cobertura.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas