Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Mídia europeia explica como sistema russo S-400 se tornou 'hit de exportações'

Os sistemas russos de defesa antiaérea S-400 têm gerado cada vez mais interesse por parte dos outros países e se tornaram mesmo um "hit de exportações" no mercado internacional de armamentos, opina a mídia alemã.
Sputnik

Segundo escreveu o jornal Die Welt, a China adquiriu este sistema em janeiro deste ano, a Turquia irá recebê-lo no ano que vem e, em outubro passado, a Índia passou também a estar entre os importadores desta arma, assinando um contrato no valor de mais de 5 bilhões de dólares (quase 19 bilhões de reais) com a empresa estatal russa de exportação de armas.


Em opinião dos especialistas citados pela edição, no que tange às características técnicas, os complexos S-400 superam os análogos norte-americanos. Em particular, os S-400 são capazes de eliminar alvos diferentes em altitudes de até 30 quilômetros, em um raio de 400 quilômetros, podendo ser equipados com mísseis de alcances diferentes.

Já o conhecido sistema norte-americano Patriot, instalado inclusive na Europ…

Motor de F-35C ingere cesta de reabastecimento em voo sobre o mar

Um F-35C Lightning II Joint Strike Fighter voando a partir do porta-aviões USS Abraham Lincoln (CVN-72) foi danificado durante um exercício de reabastecimento aéreo, no primeiro grande acidente de voo para a versão embarcada do JSF.


Poder Aéreo

O motor de um F-35C do Strike Fighter Squadron (VFA) 125 foi danificado enquanto o avião recebia combustível de um F/A-18F Super Hornet do Esquadrão VFA-103 em 22 de agosto, confirmaram oficiais da Marinha dos EUA ao USNI News. Os detritos de uma cesta de reabastecimento aéreo foram ingeridos pela entrada do motor do F-35C, resultando em danos, disse o porta-voz da Naval Air Forces Atlantic, o comandante Dave Hecht na terça-feira.

Um F/A-18F Super Hornet reabastecendo um F-35C
Um F/A-18F Super Hornet reabastecendo um F-35C

Ambos os caças foram capazes de pousar com segurança – o Super Hornet voou para a Estação Naval Oceana, na Virgínia, enquanto o F-35C retornou para o porta-aviões Lincoln. Nenhum ferimento foi relatado e o incidente está atualmente sob investigação, disse Hecht.

Os danos ao F-35C foram relatados como um acidente de Classe A – o tipo mais grave de uma aeronave militar. Uma ocorrência é classificada como Classe A quando uma aeronave sofre mais de US$ 2 milhões em danos, é totalmente destruída ou envolve um ferimento grave ou fatal à tripulação. Os danos ao F-35 estavam acima do limite de US$ 2 milhões, disse Hecht. Um novo motor F135 para o JSF custa cerca de US$ 14 milhões, de acordo com o mais recente contrato para a fabricante de motores Pratt & Whitney.

O Super Hornet também foi danificado, mas foi relatado como um acidente de Classe C porque não houve feridos e o custo total estimado de danos à aeronave está entre US$ 50.000 e US$ 500.000, disse Hecht.

O F-35C estava voando em um evento de teste de ala aérea integrada a bordo do porta-aviões Lincoln que autoridades da Marinha descreveram como uma validação de como a aeronave opera e é mantida e sustentada no mar. Este primeiro teste operacional no mar para o F-35C, sendo lançado e recuperado ao lado de Super Hornets, E-2D Advanced Hawkeyes e C-2A Greyhounds, é um primeiro vislumbre de como será a futura ala aérea embarcada quando o F-35C alcançar a capacidade operacional inicial e for mais amplamente implementado.

O teste ofereceu à Marinha uma maneira de avaliar quão bem o F-35 “integra-se ao navio, como ele interopera com comunicações, enlaces de dados, outras aeronaves, e então como conduzimos a missão e conectamos as outras aeronaves que estão conduzindo missão e quanto eles são eficazes quando o fazem”, explicou o vice-almirante Dale Horan, diretor da Joint Strike Fighter Fleet Integration para a Marinha, a repórteres durante um evento de mídia na semana passada a bordo do Lincoln.

Os F-35Cs operando no Lincoln eram do VFA-125, um esquadrão de substituição de frota, e o VFA-147, um esquadrão operacional. Ambos são baseados na Naval Air Station Lemoore, Califórnia.

A Marinha espera alcançar a capacidade operacional inicial (IOC) para o F-35C em fevereiro de 2019. Antes de atingir a IOC, porém, o F-35C tem que realizar um evento inicial formal de teste e avaliação no mar, que deverá ocorrer no outono. A Marinha também terá que mostrar que pode tripular, treinar, equipar e operar 10 caças F-35C no mar, além de estabelecer uma rede de apoio apropriada para fornecer peças e pessoal, antes de declarar o IOC.

FONTE: USNI News

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas