Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pentágono nega que avião russo tenha 'expulsado' bombardeiro americano do Báltico

O Pentágono não concorda que o bombardeiro estratégico norte-americano B-52H tenha sido expulso por um caça russo Su-27 sobre o mar Báltico, comunicou à Sputnik o representante da entidade militar americana Eric Pahon.
Sputnik

"O avião da Força Aérea dos EUA B-52H realizava operações rotineiras no espaço aéreo internacional segundo o princípio da liberdade de navegação e de voo. Em 20 de março, o B-52H teve um encontro ordinário com um Su-27 russo que efetuava operações sobre o mar Báltico", esclareceu o porta-voz do Pentágono.

Pahon acrescentou que o Su-27 não expulsou o B-52H, que conseguiu completar a sua missão.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou um vídeo de caças russos escoltando um bombardeiro estratégico americano Boeing B-52H sobre as águas neutras do mar Báltico. Segundo o comunicado, dois caças Su-27 levantaram voo para identificar e acompanhar a aeronave dos EUA.

De acordo com o Ministério, após o B-52H ter mudado de trajetória, distanciando-se da f…

Navio russo revelaria segredos do próximo ataque norte-americano contra Síria

O mundo está acompanhando de perto o envio de navios de guerra norte-americanos ao mar Mediterrâneo e o aumento do grupo naval russo junto à costa síria. Entretanto, a chegada à região de um pequeno navio de reconhecimento russo, Yuri Ivanov, passou despercebida, mas tem importância fundamental.


Sputnik

Um pequeno navio russo especializado em missões de inteligência, o Yuri Ivanov, entrou recentemente no Mediterrâneo. Obviamente, a composição precisa do equipamento desse navio está classificada.

Resultado de imagem para yuri ivanov ship
Pequeno navio de reconhecimento russo, Yuri Ivanov | Reprodução

Os analistas Mikhail Moshkin e Oleg Moskvin revelaram em seu artigo para a revista russa Vzglyad que o objetivo dos navios desse tipo vai mais além de fornecer comunicação e controle da frota, realizar tarefas de inteligência de sinais e guerra eletrônica. Realiza também a vigilância dos componentes do sistema de defesa antimísseis e antiaérea dos EUA, bem como de seus sistemas de ataque. Além disso, o Yuri Ivanov é capaz de designar alvos para outros meios de ataques terrestres, navais e até mesmo submarinos.

Os comandos dos EUA e de seus parceiros da OTAN entendem a importância desse navio, por isso no Canal da Mancha o Yuri Ivanov foi acompanhado por um caça-minas britânico. Além disso foi escoltado pelo navio francês Tethys.

"O navio de reconhecimento analisa informações de intercepção de comunicações e os dados de inteligência de sinais. Com base em tudo isso, o grupo de análise pode revelar onde e quando será realizado um ataque com armas de precisão", explicou o vice-comandante da Força Aérea aposentado, tenente-general Aitech Bizhev.

É precisamente esse tipo de ataque que os EUA estão preparando agora na Síria, observam os autores.

"Acredito que o Yuri Ivanov é capaz de detectar o lançamento de mísseis norte-americanos no Mediterrâneo. Este navio conta com um equipamento muito sério. A bordo estão concentrados desenvolvimentos e tecnologias, provavelmente os mais avançados que temos", comentou o analista militar, capitão-de-mar-e-guerra Vasily Dandykin.

Segundo o especialista militar, o Yuri Ivanov é um navio especial que permite "ver muito longe, mais além do Mediterrâneo". Supõe-se que, em caso de um lançamento de mísseis Tomahawk contra a Síria, o navio poderia rapidamente analisar a telemetria dos mísseis e definir os alvos para a defesa aérea síria. Além disso, a embarcação é capaz de rastrear todo o processo de preparação do ataque: linhas de comunicação, detalhes técnicos, etc.

Provavelmente, o comando militar russo decidiu que agora o Yuri Ivanov é necessário nessa região, sublinharam os jornalistas.

Recentemente, um submarino norte-americano armado com mísseis Tomahawk entrou no mar Mediterrâneo e reforçou o grupo naval dos EUA que já tinha lá dois submarinos nucleares com mísseis de cruzeiro e dois destróieres, o USS Carney e o USS Ross, equipados com mísseis.

Ao golfo Pérsico chegou também o destróier USS The Sullivans com 56 mísseis de cruzeiro a bordo. Além disso, um bombardeiro estratégico B-1B da Força Aérea dos EUA com 24 mísseis de cruzeiro ar-terra AGM-158 JASSM foi transferido para a base aérea de Al-Udeid no Qatar.

Depois do ataque de abril contra a Síria, os norte-americanos declararam repetidamente que estão dispostos a realizar outro, se o considerarem necessário. O presidente dos EUA, Donald Trump, não para de advertir contra o "derramamento de sangue" em Idlib. O Ministério da Defesa da Rússia, por sua vez, considera que os EUA estão preparando-se para responder a um novo cenário sobre um suposto uso de armas químicas na Síria.

A Rússia também aumentou a presença de seus navios no Mediterrâneo e realizou exercícios nessa região que envolveram 26 navios e 34 aviões.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas