Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Navios de guerra do Japão e Reino Unido fazem exercícios na mar do Sul da China

O maior navio de Guerra do Japão, o porta-helicópteros Kaga, juntou-se à fragata britânica HMS Argyll, no oceano Índico. O movimento, anunciado nesta quarta-feira (26), ocorreu enquanto a embarcação britânica se dirigia ao mar do Sul da China e Leste asiático.


Sputnik

Os britânicos e os japoneses são aliados próximos dos Estados Unidos e têm um objetivo comum de conter a crescente influência da China sobre a região. Eles temem que as águas do mar do Sul da China, uma importante rota de comércio que liga a Ásia com a Europa e os Estados Unidos, fique sob influência direta dos chineses.

Marinheiro britânico perto do navio de guerra HMS Albion
Tropas britânicas embarcando no HMS Albion © AP Photo / Alvaro Barrientos

"Nós temos laços tradicionais com a Marinha britânica e somos ambos aliados dos EUA e esses exercícios são uma oportunidade para fortalecer nossa cooperação", afirmou Kenji Sakaguchi, o comandante da Força Marítima de auto Defesa.

Ele acrescentou que quanto mais frequente é a presença da Marinha Real britânica na região, melhores são as chances de que as duas marinhas possam treinar juntas e de se aproximarem no futuro.

A chegada do Argyll à região se soma à chegada, no mês passado, de um navio anfíbio de assalto da Marinha britânica, o Albion. A presença do navio foi considerada uma forma de desafiar a China e suas reivindicações territoriais. Ele estabeleceu um trajeto a caminho do Vietnã partindo do Japão e passando próximo às bases chinesas nas ilhas Paracel durante uma operação de liberdade de navegação.

A China enviou um navio de Guerra e helicópteros para conter a presença britânica, alertando Londres de que ações similares no futuro poderiam criar perigos sobre a possibilidade de acordos comerciais com a China após a saída do Reino Unido da União Europeia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas