Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Navios de guerra do Japão e Reino Unido fazem exercícios na mar do Sul da China

O maior navio de Guerra do Japão, o porta-helicópteros Kaga, juntou-se à fragata britânica HMS Argyll, no oceano Índico. O movimento, anunciado nesta quarta-feira (26), ocorreu enquanto a embarcação britânica se dirigia ao mar do Sul da China e Leste asiático.


Sputnik

Os britânicos e os japoneses são aliados próximos dos Estados Unidos e têm um objetivo comum de conter a crescente influência da China sobre a região. Eles temem que as águas do mar do Sul da China, uma importante rota de comércio que liga a Ásia com a Europa e os Estados Unidos, fique sob influência direta dos chineses.

Marinheiro britânico perto do navio de guerra HMS Albion
Tropas britânicas embarcando no HMS Albion © AP Photo / Alvaro Barrientos

"Nós temos laços tradicionais com a Marinha britânica e somos ambos aliados dos EUA e esses exercícios são uma oportunidade para fortalecer nossa cooperação", afirmou Kenji Sakaguchi, o comandante da Força Marítima de auto Defesa.

Ele acrescentou que quanto mais frequente é a presença da Marinha Real britânica na região, melhores são as chances de que as duas marinhas possam treinar juntas e de se aproximarem no futuro.

A chegada do Argyll à região se soma à chegada, no mês passado, de um navio anfíbio de assalto da Marinha britânica, o Albion. A presença do navio foi considerada uma forma de desafiar a China e suas reivindicações territoriais. Ele estabeleceu um trajeto a caminho do Vietnã partindo do Japão e passando próximo às bases chinesas nas ilhas Paracel durante uma operação de liberdade de navegação.

A China enviou um navio de Guerra e helicópteros para conter a presença britânica, alertando Londres de que ações similares no futuro poderiam criar perigos sobre a possibilidade de acordos comerciais com a China após a saída do Reino Unido da União Europeia.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas