Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Navios de guerra do Japão e Reino Unido fazem exercícios na mar do Sul da China

O maior navio de Guerra do Japão, o porta-helicópteros Kaga, juntou-se à fragata britânica HMS Argyll, no oceano Índico. O movimento, anunciado nesta quarta-feira (26), ocorreu enquanto a embarcação britânica se dirigia ao mar do Sul da China e Leste asiático.


Sputnik

Os britânicos e os japoneses são aliados próximos dos Estados Unidos e têm um objetivo comum de conter a crescente influência da China sobre a região. Eles temem que as águas do mar do Sul da China, uma importante rota de comércio que liga a Ásia com a Europa e os Estados Unidos, fique sob influência direta dos chineses.

Marinheiro britânico perto do navio de guerra HMS Albion
Tropas britânicas embarcando no HMS Albion © AP Photo / Alvaro Barrientos

"Nós temos laços tradicionais com a Marinha britânica e somos ambos aliados dos EUA e esses exercícios são uma oportunidade para fortalecer nossa cooperação", afirmou Kenji Sakaguchi, o comandante da Força Marítima de auto Defesa.

Ele acrescentou que quanto mais frequente é a presença da Marinha Real britânica na região, melhores são as chances de que as duas marinhas possam treinar juntas e de se aproximarem no futuro.

A chegada do Argyll à região se soma à chegada, no mês passado, de um navio anfíbio de assalto da Marinha britânica, o Albion. A presença do navio foi considerada uma forma de desafiar a China e suas reivindicações territoriais. Ele estabeleceu um trajeto a caminho do Vietnã partindo do Japão e passando próximo às bases chinesas nas ilhas Paracel durante uma operação de liberdade de navegação.

A China enviou um navio de Guerra e helicópteros para conter a presença britânica, alertando Londres de que ações similares no futuro poderiam criar perigos sobre a possibilidade de acordos comerciais com a China após a saída do Reino Unido da União Europeia.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas