Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

ONU pede que Israel pare a demolição da aldeia palestina

O Coordenador Especial da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio, Nickolay Mladenov, expressou preocupação na segunda-feira “com a intenção das autoridades israelenses de demolir a aldeia beduína de Khan Al-Ahmar / Abu Al-Helu” na Cisjordânia.


Pars Today

"Eu peço às autoridades que não prossigam com a demolição e cessem os esforços para realocar as comunidades palestinas na Cisjordânia ocupada", disse Mladenov, denunciando tais ações como "contrárias à lei internacional" e advertindo que elas "poderiam minar o chances para o estabelecimento de um Estado Palestino viável e contíguo ”, de acordo com um relatório publicado no site da ONU.

ONU pede que Israel pare a demolição da aldeia palestina

Segundo o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA), Khan Al-Ahmar / Abu Al-Helu, localizado nos arredores de Jerusalém Oriental, é uma das 18 comunidades localizadas em - ou próximo a - uma área em parte para um plano de reorganização de assentamentos israelenses que supostamente criaria uma área construída contínua, entre o assentamento Ma'ale Adummim e Jerusalém Oriental.

Em 24 de maio, o Supremo Tribunal de Justiça israelense rejeitou a petição da comunidade para impedir a demolição, e quase todas as estruturas de Khan Al-Ahmar / Abu Al-Helu estão agora em risco de serem demolidas, incluindo a escola construída com apoio de doadores. - que serve várias comunidades na área.

No dia 1º de junho, o coordenador humanitário da ONU para o Território Palestino Ocupado, Jamie McGoldrick, divulgou uma declaração observando que “as obrigações de Israel como potência de ocupação para proteger os moradores de Khan al Ahmar são claras”.

“Se as autoridades israelenses escolherem implementar as ordens de demolição pendentes na comunidade e forçar as pessoas a saírem, elas não apenas gerarão dificuldades humanitárias significativas, mas também cometerão uma das graves violações do direito internacional humanitário”, declarou o Sr. McGoldrick.

Em julho, o escritório de direitos humanos da ONU (ACNUDH) também denunciou que as demolições planejadas violam o direito internacional humanitário, já que provavelmente resultariam na realocação forçada de dezenas de famílias.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas