Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Oposição em Israel prega 'cautela' para manter laços com a Rússia

A líder da oposição israelense, Tzipi Livni, afirmou neste domingo (23) que Israel deve agir de forma inteligente e responsável, diante do incidente no qual um avião militar russo Il-20 foi abatido na Síria, a fim de preservar as relações existentes com a Rússia.


Sputnik

No início deste domingo, o Ministério da Defesa da Rússia reiterou, durante um comunicado sobre as circunstâncias do incidente, que a culpa pelo acidente com a aeronave russa era totalmente de Israel, o que colocou o Il-20 sob fogo da defesa aérea síria.

Resultado de imagem para Tzipi Livni
Tzipi Livni | Reprodução

"A Força Aérea Israelense realiza profissionalmente seu trabalho para impedir que o Irã melhore suas posições na Síria. Esse é um interesse comum de Israel e da Rússia. Nossos países conseguiram engajar-se em um diálogo baseado no respeito mútuo e coordenar ações, o que permitiu às Forças de Defesa de Israel atuarem na Síria garantindo os interesses de ambos os países […]. Agora é necessário agir com prudência e responsabilidade para preservar a relação existente e a coordenação das ações", disse Livni.

O Il-20 da Rússia foi derrubado a 35 quilômetros da costa do Mediterrâneo quando retornava à base aérea de Hmeymim na noite da segunda-feira (17). O incidente ocorreu ao mesmo tempo que quatro jatos israelenses F-16 realizavam ataques contra alvos em Latakia, na Síria.

De acordo com o Ministério da Defesa da Rússia, Israel alertou a Rússia sobre o ataque aéreo apenas um minuto antes de seu lançamento, enganando Moscou sobre o local exato de seus ataques e deixando de informar a localização exata dos caças F-16.

Segundo os militares russos, os jatos israelenses usaram o avião russo como escudo contra a defesa aérea síria. Um total de 15 militares russos foram mortos como resultado do incidente.

O Ministério da Defesa da Rússia declarou que a Força Aérea Israelense e os responsáveis pela operação dos caças israelenses têm responsabilidade total pelo acidente do jato militar russo. As autoridades israelenses e o comando militar do país não comentaram o novo relatório do Ministério da Defesa da Rússia até o momento.

A delegação militar israelense, que visitou Moscou na quinta-feira (20) para realizar consultas sobre o incidente, insistiu que as unidades de defesa aérea síria agiram "indiscriminada e aleatoriamente" sem garantir que o jato russo não estivesse dentro do alcance dos mísseis. Os membros da delegação também afirmaram que os combatentes de Israel já retornaram ao espaço aéreo israelense logo após o Il-20 ser derrubado pela defesa aérea síria.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas