Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

OTAN pode ativar artigo de defesa coletiva caso seja atacada ciberneticamente pela Rússia

O Artigo 5 do Tratado de Washington de 1949 estabeleceu o princípio de defesa coletiva no caso de um ataque contra um dos aliados, que então seria considerado um ataque contra todos os signatários. O texto, porém, não previa à época um ataque cibernético.


Sputnik

O secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, disse em uma entrevista divulgada nesta segunda-feira que o bloco poderia invocar o artigo 5º sobre defesa coletiva no caso de um ataque cibernético realizado pela Rússia.

Bandeiras da OTAN e da UE
© AFP 2018 / Armend Nimani

"Não automaticamente. Depende do caráter do ciberataque (…). Nós nunca seremos específicos [sobre] quando acionaremos o Artigo 5", disse Stoltenberg ao portal de notícias Axios, respondendo sobre estratégias quanto a um possível ataque cibernético na Rússia.

Stoltenberg acrescentou que a aliança estava impulsionando sua segurança cibernética e planejava desenvolver capacidades cibernéticas ofensivas.

Em julho, a Aliança já tinha confirmado em comunicado após a cúpula em Bruxelas que, no caso de uma guerra híbrida, o bloco acionaria seu artigo 5º sobre defesa coletiva.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas