Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Palestina condena ação dos EUA contra representante da OLP

A membro do Comitê Executivo da Organização para a Libertação de Palestina (OLP), Hanan Ashrawi, condenou hoje a medida do governo dos Estados Unidos contra o embaixador palestino em Washington.


Prensa Latina

Ramallah - A administração do presidente Donald Trump revogou os vistos da família do Chefe da Delegação Geral da OLP nos Estados Unidos, Husam Zomlot.

Husam Zomlot | Reprodução

Os vistos da esposa do funcionário, bem como os de seus dois filhos, foram cancelados ainda quando eram válidos até o ano 2020.

Ashrawi qualificou a ação de vingativa e cruel; declarações que se produzem após a Casa Branca informar aos membros do pessoal da Delegação Geral da OLP em Washington a respeito das pautas para fechar essa sede.

Na semana passada, os dois filhos de Zomlot (Said, de 7 anos; e Alma, de 5) foram retirados de sua escola na capital estadunidense e desde então tiveram que abandonar o país.

Os demais membros do pessoal da embaixada palestina em Washington receberam a ordem de suspender todas as operações, fechar as contas bancárias e foram informados que o contrato de aluguel do imóvel não seria renovado.

Também foram avisados para abandonar as instalações antes do dia 13 de outubro próximo.

Hanan Ashrawi enfatizou que ao atacar deliberadamente a família do embaixador Zomlot, a administração estadunidense tem passado de um castigo cruel para uma vingança contra os palestinos e sua liderança, inclusive, até o ponto de causar dificuldades a crianças e famílias inocentes.

Esta medida desmesurada vai na contramão de todo protocolo diplomático e constitui uma escalada desumana por parte da administração Trump para persistir em sua política de pressão e extorsão, apontou a dirigente da OLP.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas