Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Reino Unido manterá presença militar na Alemanha após Brexit

Ministro da Defesa justifica decisão de manter bases e pessoal na região do rio Reno após 2020 com programa de incrementar os pontos militares britânicos pelo mundo.


Deutsch Welle

Cerca de 185 militares do Exército e 60 civis do Ministério da Defesa do Reino Unido permanecerão na Alemanha depois da retirada das Forças Armadas britânicas do país, em 2020, anunciou Londres neste domingo (30/09).

Forças Armadas britânicas na caserna de Sennelager, Renânia do Norte-Vestfália
Forças Armadas britânicas na caserna de Sennelager, Renânia do Norte-Vestfália

"Estamos incrementando nossos pontos de presença britânica pelo mundo. Não fecharemos nossas instalações na Alemanha, usando-as, em vez disso, como postos táticos para o Exército", declarou o ministro da Defesa Gavin Williamson em comunicado.

De acordo com a Revisão de Defesa Estratégica e Segurança de 2010 do Reino Unido, a mobilização permanente de seu pessoal para bases militares na Alemanha deveria se encerrar em 2019, embora algumas atividades de treinamento permanecessem.

O atual comunicado estipula que militares britânicos ficarão baseados em caráter permanente na área de treinamento de Sennelager, no estado da Renânia do Norte-Vestfália. Com 117 quilômetros quadrados, ela é utilizada para exercícios de tiro tanto pelo Reino Unido quanto pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Será também mantido o apoio de infraestrutura e equipagem à Otan, inclusive com a capacidade combinada de cruzamento fluvial na vizinha Minden, a oeste de Hannover. Ela possui veículos M3, plataformas anfíbias com propulsão própria, operados conjuntamente por soldados britânicos e alemães. Os dois países estão discutindo um futuro upgrade bilateral dos veículos.

O Exército britânico vai, ainda, manter sua presença no acampamento Ayrshire, em Mönchengladbach, com capacidade de armazenar 2 mil veículos, e na central de armazenamento de munição operacional de Wulfen.

O Exército Britânico do Reno foi formado em seguida à Segunda Guerra Mundial e desenvolvido pela Otan após 1949. Dezoito anos mais tarde, teve seu contingente reduzido, antes de ser substituído pelas Forças Britânicas na Alemanha, em 1994, com 25 mil soldados. Até 2015 havia 5.200 militares britânicos no país.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas