Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pentágono nega que avião russo tenha 'expulsado' bombardeiro americano do Báltico

O Pentágono não concorda que o bombardeiro estratégico norte-americano B-52H tenha sido expulso por um caça russo Su-27 sobre o mar Báltico, comunicou à Sputnik o representante da entidade militar americana Eric Pahon.
Sputnik

"O avião da Força Aérea dos EUA B-52H realizava operações rotineiras no espaço aéreo internacional segundo o princípio da liberdade de navegação e de voo. Em 20 de março, o B-52H teve um encontro ordinário com um Su-27 russo que efetuava operações sobre o mar Báltico", esclareceu o porta-voz do Pentágono.

Pahon acrescentou que o Su-27 não expulsou o B-52H, que conseguiu completar a sua missão.

Na véspera, o Ministério da Defesa da Rússia publicou um vídeo de caças russos escoltando um bombardeiro estratégico americano Boeing B-52H sobre as águas neutras do mar Báltico. Segundo o comunicado, dois caças Su-27 levantaram voo para identificar e acompanhar a aeronave dos EUA.

De acordo com o Ministério, após o B-52H ter mudado de trajetória, distanciando-se da f…

Rússia desenvolve aparelho submersível para proteger sua base naval na Síria

Os mais novos dispositivos autônomos submersíveis desenvolvidos na Rússia, como o Shelf, podem ser usados para proteger a área marinha da base naval russa de Tartus, na Síria, relata à Sputnik Andrei Dolzhenkov, diretor-geral da empresa homônima.


Sputnik

"Os portadores subaquáticos do tipo Shelf, desenvolvidos na Rússia […] podem ser usados para operações de busca e salvamento, inspeção de estruturas hidráulicas e objetos subaquáticos, hidrologia e hidrografia, estudos sobre o fundo marinho e da coluna de água, para exploração e tarefas especiais. Todas essas tarefas são relevantes para garantir a segurança da base naval de Tartus", disse Dolzhenkov.

Aparelho subaquático Shelf
Aparelho aquático Shelf © Sputnik / Sergei Safronov

Ele sublinhou que os portadores subaquáticos podem resolver problemas individualmente ou em grupo.

Segundo o diretor-geral, dependendo das tarefas, o portador subaquático pode ter diferentes dimensões: de um metro e meio a quatro metros. Entretanto, se aplica o princípio de estrutura modular.

"É possível colocar um sonar para inspecionar objetos no fundo marinho ou uma câmera de vídeo com sistema de iluminação, além de se escanear o fundo com equipamento hidroacústico. Podem ser suspensos manipuladores. Temos um aparelho de corte como manipulador, ele pode ser usado a uma profundidade de mil metros. A versão base tem quatro módulos, mas podemos fazer com cinco, seis módulos e mais", disse o diretor-geral.

"A questão do armamento que possa ser usado debaixo d'água pode ser trabalhada, mas até agora não nos colocamos essa tarefa […] A questão que foi trabalhada foi a busca e detecção de objetos e pessoas", enfatizou Dolzhenkov.

Ele também informou que os portadores foram projetados para trabalhar debaixo d'água a uma profundidade de até 300 metros.

"Mas, na verdade, as profundidades podem ser medidas em quilômetros", disse o desenvolvedor.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas