Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares revelam como suas vidas foram destruídas pelo Exército dos EUA

O Twitter oficial do Exército dos EUA realizou uma pesquisa para averiguar como o serviço impactou a vida de seus militares.
Sputnik

Atualmente, mais de 9.000 pessoas já compartilharam suas opiniões. Apesar de constatarem que o serviço no Exército fortalece fisicamente e emocionalmente as pessoas, dando algum sentido às suas vidas e abrindo perspectivas profissionais, há muitos outros comentários com declarações céticas e críticas sobre a influência do Exército dos EUA no mundo, no país e na sua vida pessoal.

Várias pessoas compartilharam histórias de seus familiares que cometeram suicídio, sofreram de transtorno por estresse pós-traumático, passaram por mudanças radicais de caráter e comportamento ou deixaram de ser saudáveis depois de participarem em ações militares dos EUA.

Além disso, há aqueles cujos familiares ou eles próprios foram abusados durante o serviço.

Outros usuários recordaram que os horrores da guerra deixam cicatrizes na mente.

Diversos outros usuários da rede social compa…

Rússia desenvolve aparelho submersível para proteger sua base naval na Síria

Os mais novos dispositivos autônomos submersíveis desenvolvidos na Rússia, como o Shelf, podem ser usados para proteger a área marinha da base naval russa de Tartus, na Síria, relata à Sputnik Andrei Dolzhenkov, diretor-geral da empresa homônima.


Sputnik

"Os portadores subaquáticos do tipo Shelf, desenvolvidos na Rússia […] podem ser usados para operações de busca e salvamento, inspeção de estruturas hidráulicas e objetos subaquáticos, hidrologia e hidrografia, estudos sobre o fundo marinho e da coluna de água, para exploração e tarefas especiais. Todas essas tarefas são relevantes para garantir a segurança da base naval de Tartus", disse Dolzhenkov.

Aparelho subaquático Shelf
Aparelho aquático Shelf © Sputnik / Sergei Safronov

Ele sublinhou que os portadores subaquáticos podem resolver problemas individualmente ou em grupo.

Segundo o diretor-geral, dependendo das tarefas, o portador subaquático pode ter diferentes dimensões: de um metro e meio a quatro metros. Entretanto, se aplica o princípio de estrutura modular.

"É possível colocar um sonar para inspecionar objetos no fundo marinho ou uma câmera de vídeo com sistema de iluminação, além de se escanear o fundo com equipamento hidroacústico. Podem ser suspensos manipuladores. Temos um aparelho de corte como manipulador, ele pode ser usado a uma profundidade de mil metros. A versão base tem quatro módulos, mas podemos fazer com cinco, seis módulos e mais", disse o diretor-geral.

"A questão do armamento que possa ser usado debaixo d'água pode ser trabalhada, mas até agora não nos colocamos essa tarefa […] A questão que foi trabalhada foi a busca e detecção de objetos e pessoas", enfatizou Dolzhenkov.

Ele também informou que os portadores foram projetados para trabalhar debaixo d'água a uma profundidade de até 300 metros.

"Mas, na verdade, as profundidades podem ser medidas em quilômetros", disse o desenvolvedor.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas