Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Rússia identifica lugar da queda do avião Il-20 na Síria

O Ministério da Defesa russo identificou o lugar da queda do avião militar russo Il-20, 27 quilômetros a oeste do povoado de Baniyas, na província de Latakia.


Sputnik

Segundo a entidade militar, restos dos militares e destroços da aeronave foram retirados do mar e levados a bordo de navios russos deslocados na zona da Síria.

Resultado de imagem para Seliger ship
RFS Seliger | Reprodução

"No momento, identificamos o lugar da queda do avião, 27 quilômetros a oeste do povoado de Baniyas", diz o comunicado do ministério.

Da operação de busca do Il-20 que caiu no mar perto da costa de Latakia participam oito navios, lanchas e embarcações de apoio da Marinha russa. À zona está chegando também a embarcação Seliger, dotada de batiscafos capazes de operar a grande profundidade.

O avião Il-20 desapareceu dos radares em 17 de setembro, por volta das 23h do horário de Moscou, (17h em Brasília) durante o retorno planejado à base aérea de Hmeymim, no espaço aéreo do Mediterrâneo, a 35 quilômetros da costa da Síria, de acordo com o ministério.

A defesa russa sublinhou que, quase ao mesmo tempo, quatro caças F-15 atacaram instalações sírias em Latakia. Segundo a entidade, para evitar a resposta síria, os pilotos israelenses puseram o Il-20 debaixo de fogo do sistema de defesa antiaérea. O avião russo foi abatido por um míssil S-200 sírio, a queda resultou na morte de 15 militares russos.

Para o ministério, os aviões israelenses provocaram propositadamente uma situação ameaçadora na zona de Latakia, pois seus radares não poderiam deixar de ver o avião russo, visto que este estava aterrissando. Além disso, Israel não avisou a parte russa da operação planejada na área de Latakia.

A Defesa russa qualificou as ações de Israel como hostis e afirmou se reservar o direito de tomar medidas de resposta.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas