Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

'Sinal importante' é detectado durante buscas do submarino desaparecido ARA San Juan

O ministro da Defesa argentino, Oscar Raúl Aguad, informou ter sido detectado um sinal importante nas profundezas do oceano, supondo que possa estar ligado com o ARA San Juan – o submarino desaparecido em 2017.


Sputnik

De acordo com o ministro, o sinal era proveniente de um lugar a 280 metros de profundidade. Atualmente, drones submarinos estão se dirigindo para o local.

Imagem do desaparecido submarino argentino San Juan
© AP Photo / Vicente Robles

Além disso, Aguad lembrou que, durante a prolongada operação de busca, vários grandes objetos já tinham sido encontrados no fundo marítimo, mas sem relação com o submarino desaparecido.

Recentemente, a edição Clarin comunicou que um objeto de 55 metros não identificado foi encontrado na área de buscas do ARA San Juan.

O submersível argentino ARA San Juan, com 44 tripulantes a bordo, parou de emitir sinais de comunicação em 15 de novembro de 2017, durante uma patrulha de rotina no Atlântico Sul, perto da costa da Argentina.

Na sequência do desaparecimento, foi lançada uma grande operação internacional de busca e resgate envolvendo embarcações e equipamentos de diferentes países.

Em 30 de novembro, a Marinha da Argentina anunciou o encerramento das suas ações de resgate, mas destacou que os trabalhos para localizar o submarino iriam continuar.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas