Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares venezuelanos exilados declaram lealdade à Assembleia Nacional

Grupo de militares exilados no Peru desconhece governo de Maduro e se coloca às ordens do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, "na condição de presidente interino do país".
Deutsch Welle

Um grupo de militares venezuelanos exilados no Peru se colocou à disposição e sob as ordens do presidente da Assembleia Nacional, Juan Guaidó. Em uma transmissão televisiva nesta quarta-feira (16/01), os militares leram uma declaração em que expressaram seu apoio à Assembleia Nacional e rejeitaram o governo de Nicolás Maduro.


Nesta terça-feira (15/01), a Assembleia Nacional da Venezuela declarou formalmente Maduro um "usurpador" da presidência, o que significa que o Poder Legislativo não reconhece o novo mandato do líder venezuelano, reeleito em 2018 em eleições amplamente contestadas. O parlamento defende a criação de um governo de transição e novas eleições o quanto antes.

"Invocando a Constituição da República Bolivariana da Venezuela, nossos mais altos valores repub…

Ucrânia acusa Rússia de tentar 'ocupar' mar de Azov

O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, acusou a Rússia de bloquear as entradas ao mar de Azov para efetuar sua "ocupação".


Sputnik

"Trata-se de uma brutal violação do direito internacional, e nós não podemos aceitá-lo. Nós temos fortalecido nossa presença [militar] ali e estamos apresentando uma queixa contra a Rússia no Tribunal Permanente de Arbitragem", afirmou o líder ucraniano em entrevista ao jornal Washignton Post.

Resultado de imagem para piotr poroshenko
Presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko | Reprodução

De acordo com Poroshenko, o bloqueio de uma embarcação ucraniana proveniente do porto de Mariupol carregada com produtos metálicos ao menos por um dia causa perdas de milhares de dólares.

"Se a Rússia não parar, temos somente uma ferramenta – sanções", afirmou.

Por sua vez, o deputado do Conselho da Federação russo, Mikhail Sheremet, afirmou que a Rússia se viu obrigada a reforçar as medidas de segurança no mar de Azov em resposta às ameaças terroristas e de pirataria por parte das autoridades ucranianas.

"Reforçar as medidas de segurança no mar de Azov é uma medida de recurso em resposta às ameaças terroristas e de pirataria vindas das autoridades ucranianas. A Rússia devia garantir a segurança de seus pescadores, cidadãos pacíficos, inclusive dos navios que entram no mar de Azov, contra a política agressiva e imprevisível das autoridades da Ucrânia, dispostos a sequestrar embarcações e deter cidadãos, tal como os piratas da Somália", assinalou Sheremet em entrevista à Sputnik, exemplificando suas palavras com a detenção do navio de pesca russo Nord por parte da Ucrânia em março deste ano.

Kiev tem acusado Moscou de bloquear a entrada de navios que seguem para os portos ucranianos através do estreito de Kerch. A paragem dos navios causa prejuízos aos seus armadores, segundo as autoridades ucranianas.

Por sua vez, o Serviço Federal de Segurança russo desmente essas informações, indicando que todas as inspeções de embarcações estrangeiras são efetuadas conforme o direito marítimo internacional e que por parte dos armadores dos navios não tem havido queixas ou reclamações.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas