Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Venezuela ganhará centro russo de manutenção de helicópteros

Local será inaugurado até o final do ano e país quer ainda finalizar a construção de fábrica de armas Kalashnikov.


Maria Aleksandrova | Russia Beyond

Durante o fórum internacional Army-2018, realizado no início de setembro na Rússia, o diretor-geral do monopólio de exportação de armas e equipamentos militares do país Rosoboronexport, Aleksander Mikheev, anunciou que a empresa pretende abrir um centro de manutenção de helicópteros russo na Venezuela até o final deste ano.

Resultado de imagem para kamov ka-52 alligator
Kamov Ka-52 Alligator | Reprodução

“Além disso, já estamos construindo uma fábrica de armas de fogo ligeiras que começará a funcionar em 2019. Estamos nos empenhando em acelerar o processo”, disse Mikheev à agência de notícias russa Ria Nóvosti.

O acordo para a construção da fábrica de munições e fuzis Kalashnikov AK-103 foi assinado em 2006. Mas a construção da fábrica foi interrompida diversas vezes e os trabalhos foram reiniciados apenas em 2016.

Em abril deste ano, o ministro da Defesa russo e seu par venezuelano afirmaram que a fábrica começará a produzir fuzis Kalashnikov em território venezuelano até o final de 2019.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas