Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump não precisa de autorização do Congresso para declarar guerra ao Irã, diz analista

Donald Trump pode não precisar do aval do Congresso para declarar guerra contra o Irã, algo que seus conselheiros "vêm construindo discretamente" um caso em meio a sanções crescentes, informa Jonathan Allen, da NBC News.
Sputnik

O articulista afirma que os principais elementos do plano incluem ligar a al-Qaeda ao Irã para retratar a República Islâmica como uma ameaça terrorista aos EUA, "o que é exatamente o que as autoridades do governo vêm fazendo nas últimas semanas".

"Isso poderia dar a Trump a justificativa que ele precisa para combater o Irã sob a resolução de uso de força de 2001, sem aprovação do Congresso", Allen argumenta, acrescentando que o Congresso dificilmente concederá ao presidente americano "nova autoridade para atacar o Irã nas circunstâncias atuais ”.

Os comentários do autor vêm depois que o New York Times citou vários altos funcionários norte-americanos não identificados dizendo que “[o presidente Donald] Trump foi firme em dizer que…

Vice-chanceler russo: terroristas produzem armas na Síria com ajuda material do exterior

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Oleg Syromolotov, falou com a Sputnik sobre a situação na província síria de Idlib, comentando como os radicais produzem armas e como se processam as ações antiterroristas da Rússia.


Sputnik

Os terroristas encontraram formas de produzir as armas na própria Síria, mas também recebem ajuda técnico-financeira do exterior, afirmou à Sputnik o vice-chanceler russo.

Resultado de imagem para Oleg Syromolotov
Vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Oleg Syromolotov | Reprodução

Segundo o diplomata, durante os anos das ações militares na Síria e no Iraque vizinho, os radicais, segundo várias informações, teriam capturado documentação sobre a produção de armas químicas e fábricas químicas com equipamento especial, tendo igualmente recrutado especialistas em química civis e militares para produzir armas deste tipo.

Ao mesmo tempo, sublinhou Syromolotov, "vem chegando certa ajuda material e técnica do exterior".

Falando da situação em Idlib, o vice-chanceler afirmou que os militantes aproveitaram a criação da zona de desescalada na província e se instalaram lá, começando a realizar ataques contra os civis e zonas de baseamento das forças russas. A Rússia, avançou, "não tem como não reagir a tal agressão", mas leva em consideração que em Idlib estão igualmente civis e grupos de oposição armados não envolvidos nas ações terroristas, que poderiam participar do processo de regularização na Síria.

"Quanto às características das ações antiterroristas em Idlib, as operações deste tipo são preparadas minuciosa e secretamente com a participação de todas as partes […] Ao mesmo tempo, são tomados em conta todos os aspectos humanitários, inclusive para diminuir os danos entre os civis e na infraestrutura", comentou Syromolotov, ressaltando que nem os militares nem os diplomatas podem revelar tudo sobre este tipo de operações.

À medida que o número de terroristas está sendo reduzido, acrescentou, a Rússia diminui sua presença no país árabe.

"A Rússia continua reduzindo sua presença na Síria à medida que continua a liquidação dos terroristas restantes e as Forças Armadas sírias estão se fortalecendo", disse Syromolotov.

O território da província síria de Idlib praticamente não é controlado pelo governo. Há militantes da oposição armada, assim como, segundo Moscou e Damasco, terroristas que periodicamente atacam as posições das tropas do governo.

Nos últimos dias, a situação em torno da Síria se agravou. O Ministério da Defesa russo informou em várias ocasiões que os terroristas assim como a ONG Capacetes Brancos estão preparando uma provocação em Idlib para culpar Damasco do uso de armas químicas contra civis.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas