Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Zarif: Diplomacia evita guerra em Idlib

O ministro das Relações Exteriores do Irã disse na terça-feira que os esforços diplomáticos para a questão da cidade síria de Idlib estão dando frutos com a iminente guerra na região tendo sido evitada.


Pars Today

"Intensiva diplomacia responsável nas últimas semanas - perseguida em minhas visitas a Ancara e Damasco, seguida pela Cúpula Irã-Rússia-Turquia em Teerã e a reunião é Sochi - evitando a guerra em Idlib com um firme compromisso de combater extremistas terror ", Mohammad-Javad Zarif escreveu em sua conta no Twitter.

Zarif: Diplomacia evita guerra em Idlib
Mohammad-Javad Zarif | Reprodução

"A diplomacia funciona", enfatizou.

O chanceler iraniano se referiu a um acordo assinado em 17 de setembro pelo presidente russo, Vladimir Putin, e seu colega turco, Recep Tayyip Erdogan, sobre a suspensão de uma grande ofensiva militar contra os terroristas em Idlib e a criação de uma zona desmilitarizada em 15 de outubro.

Preocupada com a crise humanitária, a Turquia, lar de mais de três milhões de refugiados sírios, manifestou sua oposição a qualquer nova ofensiva na cidade por temer outro êxodo de refugiados.

A Rússia está se preparando para um ataque à cidade de três milhões de pessoas no noroeste da Síria como o último ponto de apoio de vários grupos terroristas e extremistas.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas