Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Expansão da OTAN na Europa é uma 'relíquia da Guerra Fria', diz Putin

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse em entrevista à imprensa sérvia publicada nesta quarta-feira (horário local) que a Rússia não quer uma nova corrida armamentista.
Sputnik

"Não vamos fechar os olhos ao desdobramento de mísseis de cruzeiro dos EUA [na Europa] e sua ameaça direta à nossa segurança. Teremos que tomar medidas eficazes de retaliação. Mas como país responsável e sensato, a Rússia não está interessada em uma nova corrida armamentista", afirmou.


Segundo o presidente russo, Moscou enviou em dezembro a Washington algumas propostas sobre a manutenção do Tratado INF. Além disso, Putin destacou que a Rússia está pronta para um diálogo sério com os Estados Unidos sobre toda a agenda estratégica.

No entanto, os Estados Unidos parecem ter uma política de "desmantelamento" em relação ao controle global de armas, acrescentou o presidente russo.

Durante a entrevista aos meios de comunicação sérvios, Putin também instou os parceiros ocidentais a estabelecer um …

2 navios de guerra americanos atravessam estreito de Taiwan em meio a tensões com China

Dois navios da Marinha americana atravessaram na segunda-feira (22) o estreito de Taiwan sem incidentes, informou a agência AP, citando representantes do Pentágono.


Sputnik

Trata-se do cruzador de mísseis USS Antietam e do destróier USS Curtis Wilbur que, segundo o porta-voz do Pentágono, coronel Rob Manning, navegaram nas águas internacionais no âmbito de uma operação rotineira.


O destróier USS Curtis Wilbur, da Marinha dos EUA
Destróier USS Curtis Wilbur © REUTERS / Marinha dos EUA/ Declan Barnes

A missão faz parte dos constantes esforços dos EUA de manter o que considera como liberdade de navegação na região.

Pela última vez, o navio estadunidense atravessou o estreito em julho, disse outro porta-voz, o tenente-coronel Chris Logan.

Pequim, por sua parte, considera Taiwan como sua província e qualifica as ações dos EUA como pretexto para impor seu poderio militar na região.

Nos fins de setembro, aconteceu uma série de incidentes no mar do Sul da China e no mar da China Oriental como as operações de transferência de bombardeiros americanos B-52 ou a aproximação perigosa entre o destróier dos EUA USS Decatur e um destróier chinês da classe Luyang perto das ilhas Spratly.

As tensões têm lugar em meio de uma guerra comercial entre Washington e Pequim e as recentes sanções americanas contra o setor militar chinês.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas