Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

2 navios de guerra americanos atravessam estreito de Taiwan em meio a tensões com China

Dois navios da Marinha americana atravessaram na segunda-feira (22) o estreito de Taiwan sem incidentes, informou a agência AP, citando representantes do Pentágono.


Sputnik

Trata-se do cruzador de mísseis USS Antietam e do destróier USS Curtis Wilbur que, segundo o porta-voz do Pentágono, coronel Rob Manning, navegaram nas águas internacionais no âmbito de uma operação rotineira.


O destróier USS Curtis Wilbur, da Marinha dos EUA
Destróier USS Curtis Wilbur © REUTERS / Marinha dos EUA/ Declan Barnes

A missão faz parte dos constantes esforços dos EUA de manter o que considera como liberdade de navegação na região.

Pela última vez, o navio estadunidense atravessou o estreito em julho, disse outro porta-voz, o tenente-coronel Chris Logan.

Pequim, por sua parte, considera Taiwan como sua província e qualifica as ações dos EUA como pretexto para impor seu poderio militar na região.

Nos fins de setembro, aconteceu uma série de incidentes no mar do Sul da China e no mar da China Oriental como as operações de transferência de bombardeiros americanos B-52 ou a aproximação perigosa entre o destróier dos EUA USS Decatur e um destróier chinês da classe Luyang perto das ilhas Spratly.

As tensões têm lugar em meio de uma guerra comercial entre Washington e Pequim e as recentes sanções americanas contra o setor militar chinês.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas