Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

Advertência a Washington: ministro da Defesa chinês marca linha vermelha

As autoridades chinesas decidiram chamar a atenção para a crescente tensão em torno de Taiwan e voltar a marcar a linha vermelha nesse assunto. A mensagem de Pequim está dirigida aos EUA, dizem especialistas chineses e russos entrevistados pela Sputnik.


Sputnik

As Forças Armadas chinesas tomarão todas as medidas para evitar que Taiwan tente se separar formalmente da China, disse em 25 de outubro o ministro da Defesa chinês, Wei Fenghe, na cerimônia de abertura do fórum de segurança Xiangshan, em Pequim.


Resultado de imagem para Wei Fenghe
Ministro da Defesa chinês, Wei Fenghe | Reprodução

Segundo o vice-diretor do Instituto de Assuntos Asiáticos e Africanos da Universidade Estatal de Moscou, Andrei Karneev, é de fundamental importância que tenha sido o ministro da Defesa chinês quem fez as declarações sobre a situação em torno de Taiwan.

"Isso mostra que a solução militar desse assunto ainda não foi descartada por Pequim, embora seja dada prioridade ao diálogo pacífico entre as duas partes. Entretanto, a crescente cooperação militar entre os EUA e Taiwan está preocupando as autoridades chinesas."

O especialista não duvida que certas palavras do ministro são dirigidas precisamente aos EUA.

"Era a Washington a quem se referia Wei Fenghe quando disse que a China se opõe às provocações usadas para alcançar os interesses de certos países, às sanções arbitrárias unilaterais e às ações militares unilaterais perigosas", disse o analista à Sputnik China.

O especialista chinês Chen Xiaoxiao, da Universidade de Jimei, também opinou que o discurso do ministro da Defesa tinha seu destinatário.

"Perante as políticas agressivas dos EUA, a China mostrou mais uma vez sua posição […] As Forças Armadas chinesas sublinham que seguem o caminho do desenvolvimento pacífico, mas ao mesmo tempo estão prontas para proteger a soberania nacional e a segurança", explicou Chen Xiaoxiao.

Segundo ele, com a chegada de Donald Trump, Washington declarou Pequim um "adversário estratégico" e começou a ajustar sua política em relação à China. As entradas de navios de guerra no estreito de Taiwan se tornaram mais frequentes e, além disso, foi aumentando o patrocínio em relação às autoridades de Taiwan.

Muitos especialistas acreditam que a possibilidade de um conflito militar direto entre os EUA e a China por causa de Taiwan é bastante baixa. Esta opinião é compartilhada, em particular, por Joseph Cheng, professor de Ciências Políticas da Universidade de Hong Kong.

"Em grande medida é um gesto político. O perigo de um conflito militar de grande escala no estreito de Taiwan é muito pequeno. Acredito que o governo dos EUA está bem ciente de que é provavelmente uma das linhas vermelhas mais importantes, das linhas vermelhas estratégicas e militares definidas pelas autoridades chinesas. É possível que o objetivo dessas declarações seja advertir os EUA que a China leva muito a sério essa linha vermelha", disse Cheng à Sputnik.

As relações oficiais entre as autoridades centrais chinesas e Taiwan cessaram em 1949, quando o governo do Kuomintang, liderado por Chiang Kai-shek, fugiu para Taipé após ser derrotado pelo Partido Comunista Chinês, estabelecendo na ilha a República da China. Os contatos informais foram retomados em 1980. Pequim não reconhece a independência de Taiwan e afirma que a ilha faz parte do seu território. Taiwan também não reconhece o governo central em Pequim.

A China tem repetidamente apelado aos outros países para cortarem seus laços com Taiwan. Pequim já criticou os Estados Unidos por manterem relações diplomáticas informais com Taiwan, apesar de terem formalmente aderido à política de "uma China Única".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas