Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Ameaças dos EUA não farão Irã deixar a Síria, diz ex-chefe do Pentágono

Segundo o ex-chefe do Pentágono, Chuck Hagel, o número limitado de tropas dos EUA não pode fazer sair as forças do Irã da Síria.


Sputnik

Hagel declarou ao site Defense One que "[…] os EUA não controlam nem sequer metade da Síria […]" e que "[…] com 2.000 soldados americanos você não consegue tirar as tropas iranianas da Síria", enfatizando que seria "[…] uma loucura completa acreditar que se conseguiria ameaçar os sírios, iranianos ou russos […]".

Chuck Hagel, foto de arquivo de 5 de fevereiro de 2015, durante o seu prazo na pasta de Secretário da Defesa dos EUA
Chuck Hagel | © AP Photo / Virginia Mayo

Ele ainda desejou boa sorte a John Bolton, conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, enfatizando que, no caso da Síria, não há outro caminho a não ser encontrar uma solução política baseada nos interesses comuns dos países envolvidos.

Os comentários do ex-chefe do Pentágono surgiram após uma declaração de Bolton aos repórteres, onde este afirmava que as forças americanas "[…] não deixariam a Síria antes das tropas iranianas […]". Para Hagel, o envio de 2.000 soldados não cria nenhuma estabilidade na Síria, já que no local há forças russas e iranianas, não se tratando de um local onde não haja força alguma.

James Jeffrey, representante especial americano para a Síria, comentou as críticas feitas por Hagel, dizendo que tanto a Rússia como os EUA não poderiam retirar as tropas iranianas da Síria, pois a presença delas é resultado de uma solicitação formal do governo de Damasco, declarando que "tecnicamente o governo da Síria convidou os iranianos".

Além disso, Jeffrey informa que mesmo que o presidente americano opte pela permanência das tropas americanas na Síria até à saída das tropas iranianas do território, isso não significa que haverá conflitos no território.

Já Assad afirma que Damasco solicitou a ajuda de tropas iranianas e russas e que em momento algum solicitou a presença das tropas americanas, francesas, turcas e israelenses, sendo estas descritas por ele como "forças de ocupação".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas