Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Analista: suposta provocação no Ártico faz 'parte da guerra de informação' contra Rússia

O general holandês Jeff Mac Mootry acusou navios e aviões russos de tentarem provocar as forças holandesas e britânicas enquanto realizam manobras no Ártico. Para o analista russo Igor Korotchenko as acusações fazem parte de uma guerra de informação contra a Rússia.


Sputnik

O comandante dos fuzileiros navais da Marinha holandesa afirmou que o número de navios russos aumentou significativamente. Na opinião dele, a ação dos aviões russos de sobrevoarem a uma curta distância os navios da OTAN, é considerada de "provocação".

Cruzador nuclear pesado russo Admiral Nakhimov estacionado na Frota do Norte da Rússia (foto de arquivo)
Cruzador nuclear pesado russo Admiral Nakhimov © Sputnik / Oleg Lastochkin

Comentando a notícia, o analista militar russo Igor Korotchenko sublinhou que a Rússia cumpre rigorosamente todas as regras durante suas ações militares.

Para ele, a fala do general holandês é parte de uma guerra de informação contra a Rússia.

"Acusações em relação à Rússia têm aparecido constantemente. Infelizmente, EUA, Reino Unido e outros países ocidentais se juntaram à Holanda. A ministra da Defesa deste país disse que eles estão, de fato, em um estado de guerra de informação com a Rússia. Pelo visto, isso é outro exagero [da retórica antirrussa]", opinou Korotchenko.

Segundo o analista, quando militares russos seguem trajetórias perto de forças estrangeiras, Moscou cumpre todas as normas para evitar incidentes, por isso "as acusações da Holanda são inventadas, sendo parte daquela guerra de informação que o país estaria travando com a Rússia".

O ex-comandante da Frota do Báltico, Vladimir Valuev, compartilha da opinião do analista, destacando que as forças russas realizam manobras em conformidade com o Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar (RIPEAM-72) estabelecido em 1972.

"De acordo com este regulamento, ninguém pode proibir a Rússia de realizar manobras no espaço aéreo e em águas abertas. Se um navio cruzar a trajetória de outro navio a uma distância menor do que a indicada no regulamento, então esse incidente é registrado e se inicia o processo com a aplicação de medidas. Se nenhum incidente deste tipo for registrado, então [as acusações] são meros boatos", disse o militar.

No fim de setembro, o chefe do Ministério da Defesa britânico, Gavin Williamson, anunciou uma nova estratégia de defesa britânica no Ártico elaborada majoritariamente como reação à suposta ameaça proveniente dos submarinos russos no Extremo Norte e no Atlântico Norte.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas