Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Temos armas hipersônicas': Rússia dará resposta à saída dos EUA do Tratado INF, diz Putin

A Rússia não deixará a decisão dos Estados Unidos de retirar-se unilateralmente do tratado de armas nucleares sem resposta, garantiu o presidente russo Vladimir Putin, acrescentando que o país não precisa se unir a outra corrida armamentista.
Sputnik

Moscou ainda está pronta para continuar dialogando com Washington sobre o tratado bilateral que proíbe os mísseis de médio alcance, que se tornou uma das pedras angulares do desarmamento nuclear, disse o líder russo em uma reunião do governo em Sochi. Ainda assim, os EUA devem "tratar esta questão com total responsabilidade", disse o presidente, acrescentando que a decisão de Washington de retirar-se do acordo "não pode e não ficará sem resposta".


Estas não são ameaças vazias, advertiu Putin. Ele disse que a Rússia já havia advertido os EUA contra a saída do tratado ABM que regulamenta os sistemas de mísseis e avisou Washington sobre possíveis retaliações. "Agora, temos armas hipersônicas capazes de penetrar qualquer…

Atuação das Forças Armadas contribui no combate às desigualdades na Amazônia

Com 22,5 mil alunos distribuídos por 15 câmpus no estado do Amazonas, o Instituto Federal de Educação do Amazonas (Ifam), conta com o apoio das Forças Armadas para cumprir a missão de levar conhecimento às localidades longínquas da região.


Margareth Lourenço, com informações do MCTIC | DefesaNet

Para falar do papel das três Forças no combate às desigualdades na Amazônia, o ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, foi o palestrante na abertura da 15ª Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, ocorrida na tarde da segunda-feira (15), na sede do campus Manaus - Distrito Industrial.


Foto: Tereza Sobreira

Cuidar dos brasileiros e manter a unidade territorial do país fazem parte da missão das Forças Armadas brasileiras. Nessas tarefas, são empregados 347 mil mulheres e homens em todo o território nacional, destacou o palestrante.

O ministro falou sobre a atuação dos militares na região ao longo das décadas passadas até os dias atuais. Lembrou da implantação de rodovias, bem como o desenvolvimento de projetos para garantir a cidadania da população. Ele citou iniciativas como o Projeto Rondon, “que transforma universitários em cidadãos comprometidos”, reforçou.

Silva e Luna disse que a iniciativa contribui para conscientizar o estudante sobre a atuação do curso que em que está se preparando e contou que muitos voltam para se fixar na região onde atuaram no projeto.

Entre o leque de iniciativas, o dirigente da pasta detalhou algumas como os sistemas de proteção e monitoramento existentes na região. Falou também do Programa Amazônia Conectada, que integra comunidades isoladas por cabo de fibra óptica.

Ele enfatizou que a partir do conhecimento dos militares em diferentes áreas é possível atuar para contribuir na redução das desigualdades. Silva e Luna enfatizou o que considera ser a principal atuação dos militares: “despertar valores na sociedade”.

O ministro considerou que a região amazônica é, sem sobra de dúvida, a área mais rica do nosso país, mas necessita de aprofundamento de projetos que levem em consideração o desenvolvimento sustentável.

Responsável pela coordenação do evento, o professor Juan Ramos destacou que “conta com a parceria das Forças Armadas em projetos desenvolvidos pela instituição de ensino”. Com o tema “Ciência para Redução das Desigualdades”, o evento em Manaus prossegue até sexta-feira (19).

Os participantes da Semana de Ciência e Tecnologia vão debater sobre a contribuição das ciências sociais e humanas na redução das desigualdades no Brasil.

A escolha do tema baseia-se no 10° objetivo de desenvolvimento social, entre os 17 propostos pela Agenda 2030, estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU). Realizado nacionalmente desde 2004, o evento é coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Em Brasília, as atividades tiveram início nesta terça-feira e contam com a colaboração de empresas e órgãos públicos, escolas, fundações de apoio, institutos de pesquisa, museus, universidades e secretarias estaduais e municipais.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas