Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Bolton diz que arsenal da China viola tratado sobre armas nucleares

O assessor de segurança nacional dos Estados Unidos, John Bolton, denunciou nesta terça-feira que o governo da China viola o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).


EFE

Moscou - Em entrevista coletiva em Moscou, Bolton explicou algo em torno de um terço ou metade do arsenal nuclear chinês viola o tratado assinado em 1987 entre a extinta URSS e os EUA.


EFE/ Sergei Ilnitsky
John Bolton | EFE/ Sergei Ilnitsky

Bolton destacou que atualmente "há uma nova realidade estratégica" que não está contemplada no tratado que data dos tempos da Guerra Fria. O assessor também mencionou a China e a Coreia do Norte como novas partes dessa realidade.

"Atualmente existe uma nova realidade estratégica e há novas necessidades e exigências que não fazem parte dos postulados do tratado existente", disse Bolton, ao acrescentar que essa nova situação preocupa da mesma maneira os russos e os americanos.

Segundo ele, os EUA ainda não fizeram uma "declaração oficial" de abandono do tratado INF, mas a denúncia deste acordo não destruirá a estabilidade estratégica, como não aconteceu com a saída de Washington do tratado sobre a defesa antimísseis.

"Veremos primeiro qual é a situação real. O tratado foi transgredido, está obsoleto e não abrange absolutamente todas as partes interessadas", analisou Bolton ao destacar que apenas os Estados Unidos cumpriram o INF.

"Só um país está constrangido pelo INF: os Estados Unidos", ressaltou.

Bolton declarou que a Rússia iniciou, em 2008, testes com mísseis de cruzeiro com um alcance proibido pelo INF e "tentou ocultar" a atividade. Os EUA denunciaram o caso em maio de 2013 e, desde então, o assunto se tornou ponto de discussão com o governo russo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas