Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares revelam como suas vidas foram destruídas pelo Exército dos EUA

O Twitter oficial do Exército dos EUA realizou uma pesquisa para averiguar como o serviço impactou a vida de seus militares.
Sputnik

Atualmente, mais de 9.000 pessoas já compartilharam suas opiniões. Apesar de constatarem que o serviço no Exército fortalece fisicamente e emocionalmente as pessoas, dando algum sentido às suas vidas e abrindo perspectivas profissionais, há muitos outros comentários com declarações céticas e críticas sobre a influência do Exército dos EUA no mundo, no país e na sua vida pessoal.

Várias pessoas compartilharam histórias de seus familiares que cometeram suicídio, sofreram de transtorno por estresse pós-traumático, passaram por mudanças radicais de caráter e comportamento ou deixaram de ser saudáveis depois de participarem em ações militares dos EUA.

Além disso, há aqueles cujos familiares ou eles próprios foram abusados durante o serviço.

Outros usuários recordaram que os horrores da guerra deixam cicatrizes na mente.

Diversos outros usuários da rede social compa…

Chanceler saudita reclama de histeria internacional após morte de Khashoggi

O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir, se queixou neste sábado que a resposta internacional pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, cometido há três semanas no consulado saudita em Istambul (Turquia), tem sido "histérica".


EFE

"A questão se tornou histérica. As pessoas estão culpando a Arábia Saudita antes de completar a investigação", disse Al-Jubeir, durante discurso no fórum Diálogo Manama, organizado pelo Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), em Bahrein.

Foto de arquivo do ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir. EFE/EPA/AHMED YOSRI
Foto de arquivo do ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir. EFE/EPA/AHMED YOSRI

O chanceler saudita reiterou que seu país deixou "muito claro" que investigará o caso, que compartilhará os resultados das investigações e punirá os responsáveis "para assegurar que isto não aconteça novamente".

O Ministério Público da Arábia Saudita reconheceu, na última quinta-feira, que a morte de Khashoggi, ocorrida no dia 2 deste mês, foi um assassinato premeditado.

A Turquia pediu que a Arábia Saudita providencie a extradição dos 18 suspeitos do assassinato, para que sejam julgados pelos tribunais turcos.

No mesmo evento que Adel al-Jubeir, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, afirmou hoje que o assassinato de Khashoggi "mina a segurança regional".

"O assassinato de Khashoggi deve preocupar a todos. O fracasso que qualquer nação em aderir às normas internacionais e do Estado de Direito mina a estabilidade regional em um momento em que é necessário", disse Mattis, em seu discurso.

Apesar das suas declarações sobre Khashoggi, Mattis reiterou o compromisso de seu país com seus aliados árabes contra o Irã, a quem acusou de apoiar a Al Qaeda, além de armar outros grupos terroristas e de ameaçar a segurança marítima.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas