Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

China desenvolve 2 novos bombardeiros furtivos ao mesmo tempo, diz inteligência americana

A Força Aérea da China, que já tem dois caças furtivos, está trabalhando em dois novos projetos de aviões furtivos de médio e longo alcance, informou um relatório da inteligência militar dos EUA.
Sputnik

Os fabricantes de aviões chineses estão envolvidos em dois projetos de bombardeiros furtivos ao mesmo tempo, informou a edição Aviation Week, citando um relatório da Agência de Inteligência do Departamento de Defesa dos EUA.


A existência de um desses projetos, H-20 ou H-X, foi confirmada pela Força Aérea Chinesa em 2017. Entretanto, não foi divulgada nenhuma informação confiável sobre o segundo projeto.

De acordo com o Pentágono, o segundo projeto, designado JH-XX, envolve o desenvolvimento de um caça-bombardeiro de médio alcance. O avião será equipado com radar AESA, mísseis ar-ar e mísseis ar-terra. Os especialistas em inteligência militar estadunidense acreditam que essa aeronave entrará em serviço da Força Aérea chinesa não antes de 2025.

No desenvolvimento desses novos aviões de comba…

Chegou o tempo de 'responder' a abusos da China, afirma Casa Branca

Os EUA não permitirão ameaças a seus militares da parte da China relativamente à passagem de navios da Marinha norte-americana pelo mar do Sul da China, declarou o conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, em entrevista à Salem Radio Network.


Sputnik

"Nós não permitiremos ameaças a militares norte-americanos. Temos a intenção de manter as vias marítimas internacionais abertas. É o que os chineses devem entender", disse Bolton na entrevista, o texto da qual está no site da rádio.


Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton
John Bolton © Sputnik / Aleksei Vitvitsky

Ele sublinhou que a China há muito tempo que tem "abusado da ordem internacional", porém, agora para os EUA chegou o momento de "responder". Segundo as palavras do conselheiro, o Reino Unido e a Austrália tornaram mais frequentes suas passagens pelo mar do Sul da China, enquanto os EUA pensam em explorar recursos naturais nesta região, independentemente da cooperação com a China.

"Não é uma província chinesa e nunca será", acrescentou Bolton.

A China, assim como outros países da região (o Japão, o Vietnã e as Filipinas) tem algumas disputas quanto às fronteiras marítimas e zonas de responsabilidade no mar do Sul da China e no mar da China Oriental.

Para a China, as Filipinas e o Vietnã utilizam propositadamente o apoio dos EUA para escalar a tensão na região. Washington, por sua parte, afirma que Pequim está construindo ilhas artificiais, transformando-as em estruturas militares e ampliando assim as suas águas territoriais. A China nega as acusações.

Apesar dos protestos da China, os EUA declaram que vão navegar em todo o lado em que isso é permitido pelo direito internacional, dando a entender que não reconhecem a soberania da China sob as zonas disputadas.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas