Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil abre processo administrativo para apurar vídeo de militares dançando 'Jenifer' em navio

Em nota, a Marinha informou que e 'foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições' e que irá apurar o ocorrido.
Por G1 Rio

A Marinha do Brasil instaurou um processo administrativo para apurar um vídeo em que um grupo de militares aparece dançando a música "Jenifer" em um navio oficial.


A embarcação, segundo a Marinha, é o Aviso de Instrução Guarda-Marinha Brito, que fica sediado no Rio de Janeiro. A gravação foi feita durante o estágio de mar de militares.

Em nota, a Marinha informou que "foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições da Marinha" e que, para ampliar a apuração do ocorrido, foi instaurado um procedimento administrativo "cuja conclusão, certamente, conterá as propostas pertinentes às necessárias correções no inaceitável comportamento".

Assista o vídeo

Corvetas russas se transformarão em robôs de combate graças a novo sistema

Graças ao novo sistema Sigma-20385, as corvetas russas da classe Stereguschy (projeto 20380) e os grupos táticos compostos por tais embarcações poderão operar e controlar as embarcações em missões de combate sem a participação das tripulações, informa uma edição russa citando uma fonte militar.


Sputnik

Estes navios russos contarão com o sistema de gestão de combate robotizado Sigma-20385, projetado após o início da produção em série das corvetas, afirma o jornal Izvestia, referindo-se ao Alto Comando da Marinha russa.

Da esquerda para a direita: corveta Steregushchy, contratorpedeiro Nastoichivy e fragata Admiral Gorshkov estão ancorados na base da frota russa em Baltiysk na região de Kaliningrado, na Rússia. 19 de julho de 2015.
Corveta Steregushchy, contra-torpedeiro Nastoichivy e fragata Admiral Gorshkhov © REUTERS / Maxim Shemetov

Desse jeito, o Sigma-20385 transformará esses navios em robôs capazes de realizar suas missões sem intervenção humana, diz a edição.

Trata-se de um centro de processamento de informações, que coordena todos os postos de comando, armamentos e que irá controlar as manobras táticas do navio onde está instalado, comandar seus sistemas de defesa antiaérea, antissubmarino e antimíssil, helicópteros embarcados, caças e bombardeiros, acrescenta.

Na verdade, graças a este "cérebro eletrônico" o papel da tripulação será apenas monitorar e controlar o funcionamento do sistema.

O Sigma-20385 é capaz de controlar não apenas navios separados, mas também grupos táticos. Seu software desenvolvido com base no OC Linux permite desenvolver e implementar facilmente novas soluções. Além disso, ele poderá operar mesmo se a embarcação que ele equipa estiver muito danificada, sublinha a fonte do jornal.

Segundo a publicação, esses "cérebros eletrônicos" serão instalados nas corvetas construídas para a Frota do Pacífico e Frota do Norte e deverão entrar em serviço entre 2019 e 2021. Quanto aos navios desta classe já utilizados pela Marinha russa, eles também serão equipados com o Sigma-20385.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas