Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Depois de mísseis e drones bombardeando, Irã avisa aos terroristas na Síria: haverá mais

O chefe do Estado-Maior do Irã, major-general Mohammad Bagheri, após o ataque dos militares iranianos na Síria contra as posições dos organizadores do ataque terrorista na cidade iraniana de Ahvaz prometeu a terroristas uma "retaliação" posterior.


Sputnik

Surgiram notícias que os militares iranianos lançaram mísseis balísticos contra os organizadores do ataque terrorista em Ahvaz e contra instalações terroristas na margem oriental do rio Eufrates, na Síria.

Lançamento de míssil realizado pelo Irã, foto de arquivo
Lançamento de míssil iraniano © AFP 2018 / AMIN KHOROSHAHI / ISNA

Durante a operação, seis mísseis balísticos de médio alcance foram lançados de uma base aérea iraniana no oeste do país, e os "mercenários e criminosos" terroristas foram acertados em cheio a 570 quilômetros de distância, de acordo com declaração oficial iraniana.

Posteriormente, sete drones de combate bombardearam posições e refúgios usados para acomodar e apoiar terroristas.

"A primeira fase de retaliação pelo ataque a Ahvaz foi concluída; vão ter outras fases", declarou o chefe do Estado-Maior iraniano, citado pela agência Tasnim.

No dia 22 de setembro, atiradores desconhecidos abriram fogo contra um desfile militar na cidade iraniana de Ahvaz, assassinado 28 pessoas e deixando mais de 60 feridas.

A responsabilidade pelo atentado foi assumida pelo Movimento Democrático Patriótico Árabe de Ahvaz (Al-Ahvazia), ligado à Arábia Saudita.

O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, acusou os países da região "apoiados pelos EUA" de serem responsáveis pelo ataque terrorista na cidade de Ahvaz.

O chanceler iraniano, Javad Zarif, também acusou os "patrocinadores regionais do terrorismo e seus senhores norte-americanos" de terem organizado o ataque.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas