Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Especialista comenta alegado envolvimento de militares iranianos com S-300 na Síria

A afirmação de que os sistemas S-300 fornecidos à Síria irão alegadamente ser operados por especialistas militares iranianos é um mero elemento da guerra de informação, anunciou à Sputnik o diretor do Centro de Análise do Comércio Mundial de Armas da Rússia, Igor Korotchenko.


Sputnik

O portal israelense DEBKAfile, citando uma fonte anônima, comunicou que os sistemas de defesa antiaérea S-300 fornecidos à Síria irão ser operados por especialistas iranianos.

Sistemas russos S-300 durante os treinamentos bilaterais de grande escala da defesa antiaérea e da aviação da Região Militar Ocidental
S-300 Favorit © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia

"Esta notícia não passa de desinformação, um elemento da guerra informacional contra a Rússia. É uma tentativa de denegrir a Rússia. Os sistemas S-300 fornecidos à Síria serão dotados de guarnições sírias, que, depois de acabarem a preparação, começarão a operar os sistemas de combate", disse Korotchenko.

Para ele, se os EUA e Israel quiserem se aproveitar dessa falsificação para lançar um ataque de grande escala contra as posições dos S-300, isso pode provocar uma crise político-militar muito grave, análoga à crise dos mísseis de Cuba, com todas as consequências para os autores da provocação.

Os sistemas S-300 foram a resposta da Rússia à tragédia do avião russo Il-20 derrubado na Síria, pela qual Moscou responsabiliza Tel Aviv visto que, no momento do abate, aeronaves israelenses atacavam posições sírias. No início de outubro, o ministro da Defesa russo comunicou que quatros sistemas S-300 já tinham sido entregues à Síria e que os militares locais iriam ser treinados durante três meses para os operarem.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas