Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Especialista: EUA declaram indiretamente guerra à Rússia e Irã na Síria

Discursando nesta quarta-feira (25) em Pequim, o vice-ministro da Defesa russo, Aleksandr Fomin, afirmou que os drones que atacaram a base russa na Síria de Hmeymim foram coordenados a partir de um avião de reconhecimento P-8 Poseidon dos EUA.


Sputnik

Quando os drones foram afetados pelos sistemas russos de interferência eletrônica, os aparelhos passaram a ser operados em regime manual, sendo controlados pelo avião norte-americano.


Soldado norte-americano, à esquerda, sentado em veículo blindado perto da tensa linha de frente entre o Conselho Militar de Manbij, apoiado pelos EUA, e os combatentes apoiados pelos turcos, em Manbij, norte da Síria, 4 de abril de 2018
Tropas dos EUA na Síria © AP Photo / Hussein Malla

Em entrevista à Sputnik Persa, os cientistas políticos especialistas em assuntos do Oriente Médio, Hosein Rouivaran e Hasan Hanizadeh, apontaram que os EUA têm como objetivo expulsar a Rússia e o Irã do território sírio, enquanto o ataque com drones pode ser considerado como uma provocação.

De acordo com Rouivaran, a presença dos EUA na margem leste do rio Eufrates é uma ocupação militar, já que os EUA violaram o princípio de integridade territorial da Síria.

"Trata-se de uma nova tática dos EUA. Eles dirigem drones que atacam as bases russas. Ultimamente, estes casos têm sido frequentes. Tal comportamento dos EUA é uma provocação que, infelizmente, pode levar ao aumento das tensões e resultar em uma guerra. É um comportamento bastante aventureiro. Os EUA estão brincando com fogo", assinalou.

De acordo com o analista, a Rússia é capaz de proteger suas bases e não permitirá que alguém se aproxime delas.

"A repetição de tal cenário é uma declaração indireta de guerra, que pode ter consequências bastante perigosas", ressaltou Hosein Rouivaran.

Por sua vez, Hasan Hanizadeh indicou que os EUA criaram sua base na Síria a fim de fazer frente à Rússia e o Irã, bem como para levar a cabo ações provocativas contra estes países.

"Os EUA, não obstante as normas do direito internacional e sem permissão das autoridades sírias, criaram na Síria sua base para se oporem à Rússia e ao Irã, bem como para realizarem provocações", apontou.

Ele indicou que a base dos EUA se emprega para atividades de espionagem e provocativas contra a Rússia e o Irã.

"Assim, os EUA estão criando condições para expulsar a Rússia e o Irã da Síria. Uma destas últimas ações dos EUA foi precisamente o ataque à base russa de Hmeymim. Agora os EUA estão treinando radicais do Daesh na região de Abu-Kemal", acrescentou.

O analista reforçou que as provocações de Washington intensificam a unidade entre a Rússia e o Irã contra as ações dos EUA.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas