Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

EUA atualizam caças F-35, demonstrando insegurança diante dos S-300 na Síria, diz mídia

Instalação dos avançados sistemas russos S-300 na Síria faz soar alarme nos EUA e Israel.


Sputnik

Após a instalação dos sistemas S-300 na Síria, os EUA passaram a realizar testes adicionais aos seus caças F-35, o que demonstra insegurança em relação à invisibilidade da aeronave perante os sistemas russos.

Caça norte-americano F-35
CC BY-SA 2.0 / mashleymorgan / Aircraft_Fighter_Jet_F-35

Segundo uma publicação do jornal EurAsian Times, "[…] o fato dos EUA terem tentado tornar a aeronave invisível não significa que ela seja invisível, e não foi por acaso que o Pentágono anunciou de repente a necessidade de testes adicionais do F-35. Isso é uma clara evidência que os próprios EUA não acreditam nas capacidades do F-35 contra os sistemas de defesa antiaérea S-300".

O caça F-35 Lightning II foi desenvolvido visando derrotar os sistemas S-300. Assim que o Irã iniciou negociações com a Rússia para a compra de S-300, Israel terá supostamente pago à Grécia uma grande soma para obter acesso aos sistemas para estudá-los. Já os EUA compraram partes do sistema através da Bielorrússia.

Os EUA acreditavam que comprando as partes do sistema russo seriam capazes de acessar toda a tecnologia, produzindo uma aeronave que tivesse capacidade de derrotar o sistema. Porém, os sistemas S-300 que os americanos adquiriram "entraram em serviço em 1978 e apresentam uma enorme diferença entre as modernas tecnologias e as utilizadas em 1978", acrescenta o jornal.

Os sistemas S-300 elevarão o grau de proteção da defesa aérea da Síria, mas apenas em uma região. Vale ressaltar que a Força Aérea de Israel, além de ser bastante grande, também está bem equipada para resistir aos sistemas russos. Contudo, correrá um risco muito alto de sofrer perdas.

Os testes de combate dos caças F-35 Lightning II estavam previstos pelo Pentágono para serem realizados em setembro. Entretanto, devido uma falha de atualização do software do computador de voo, os testes serão realizados em novembro. Israel receberá 50 caças F-35A Lightning II dos EUA que, após atualização, passarão a ser chamados de F-35I Adir.

Já os sistemas S-300PM fornecidos à Síria são baseados nos sistemas S-300PS, que entraram em serviço na Rússia em 1993. Os sistemas atualizados podem destruir aeronaves e mísseis de cruzeiro supersônicos a mais de 200 km de distância e foram instalados na Síria com o objetivo de proteger as tropas russas localizadas na região, principalmente após um avião de reconhecimento russo ter sido abatido durante um ataque aéreo israelense.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas