Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Estratégia de defesa antimísseis dos EUA: Coreia do Norte é 'ameaça extraordinária'

O presidente dos EUA, Donald Trump, deve anunciar uma estratégia de defesa antimísseis renovada nesta quinta-feira, na qual A Coreia do Norte é classificada como uma "ameaça extraordinária".
Sputnik

O fato ocorre mesmo sete meses depois do presidente norte-americano declarar que o risco nuclear de Pyongyang foi eliminado.


"Apesar de um possível novo caminho para a paz com a Coreia do Norte agora existir, o país continua a representar uma ameaça extraordinária e os Estados Unidos devem permanecer vigilantes", adverte o relatório, 2019 Missile Defence Review, em seu resumo executivo.

Além da Coreia do Norte, o documento destaca as preocupações sobre o avanço das capacidades da do Irã, da Rússia e da China.

"As capacidades de mísseis dos adversários dos EUA, como Coreia do Norte e Irã, continuam a desempenhar um papel significativo na estratégia de defesa dos EUA", disse o secretário de Defesa dos EUA, Patrick Shanahan, durante a apresentação do relatório.

EUA não têm provas sobre violação russa de acordo nuclear, diz senador russo

Os Estados Unidos não têm provas sobre as alegadas de violações russas de acordo nuclear sobre armas de alcance intermediário, disse à Sputnik o senador russo Frants Klintsevich.


Sputnik

Neste sábado (20), o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que o país deixará o acordo nuclear com Rússia e acusou os russos de violarem o tratado.


US Republican presidential candidate Donald Trump holds his bible while speaking at the Iowa Faith and Freedom Coalition Forum in Des Moines, Iowa, September 19, 2015
Donald Trump © REUTERS / Brian C. Frank

"É óbvio que os Estados Unidos não têm provas que comprovem as violações da Rússia das cláusulas do tratado ", disse Klintsevich.

O senador ainda apontou que a decisão de Trump de deixar o acordo não está alinhada com os interesses de seus aliados europeus.

"[Os Estados Unidos] querem nos arrastar, como a União Soviética, para uma corrida armamentista. Não terá sucesso. Não tenho dúvidas de que nosso país conseguirá garantir sua segurança sob quaisquer circunstâncias", acrescentou Klintsevich.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas