Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Expansão da OTAN na Europa é uma 'relíquia da Guerra Fria', diz Putin

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse em entrevista à imprensa sérvia publicada nesta quarta-feira (horário local) que a Rússia não quer uma nova corrida armamentista.
Sputnik

"Não vamos fechar os olhos ao desdobramento de mísseis de cruzeiro dos EUA [na Europa] e sua ameaça direta à nossa segurança. Teremos que tomar medidas eficazes de retaliação. Mas como país responsável e sensato, a Rússia não está interessada em uma nova corrida armamentista", afirmou.


Segundo o presidente russo, Moscou enviou em dezembro a Washington algumas propostas sobre a manutenção do Tratado INF. Além disso, Putin destacou que a Rússia está pronta para um diálogo sério com os Estados Unidos sobre toda a agenda estratégica.

No entanto, os Estados Unidos parecem ter uma política de "desmantelamento" em relação ao controle global de armas, acrescentou o presidente russo.

Durante a entrevista aos meios de comunicação sérvios, Putin também instou os parceiros ocidentais a estabelecer um …

Força Aérea dos EUA precisará de novas bombas para enfrentar Rússia ou China, diz mídia

Especialistas da Força Aérea americana acreditam que caso os EUA desejem enfrentar potências, tais como Rússia e China, então precisarão de tecnologia avançada, além de bombas flexíveis e mais potentes.


Sputnik

Segundo o diretor de munições do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea (AFRL, na sigla em inglês), Dr. John S. Wilcox, "no momento há uma mudança no percurso, minimizando para maximizar os efeitos em uma batalha final, […] já que ainda terão de lidar com diversas ameaças, procurando criar grandes munições com grandes efeitos".


Mísseis de cruzeiro AGM-158 JASSM são lançados dirante as manobras da Força Aérea dos EUA (foto de arquivo)
Míssil de cruzeiro AGM-158 JASM lançado de um F-16 Fighting Falcon © AFP 2018 / Força Aérea dos EUA

Além disso, a Força Aérea está trabalhando rapidamente no desenvolvimento de bombas capazes de causarem grandes impactos durante o ataque, além de munições de rendimento variável e bombas de alto rendimento, o que, de acordo com especialistas, poderia mudar o rumo das ameaças globais.

Um estudo recentemente realizado pelo The Mitchell Institute aponta Rússia e China como possíveis ameaças a serem combatidas, já que ambos os países analisaram as estratégias de combate dos EUA por décadas.

Wilcox compartilha da mesma opinião e afirma que para eliminar tais ameaças, os EUA precisarão de munições potentes para efetuar um ataque aéreo preciso e massivo de alto poder de destruição.

Em relatório elaborado por especialistas da Força Aérea dos EUA, é afirmado que as bombas são praticamente as mesmas durante os últimos 100 anos, entretanto alguns elementos modernos fazem a diferença no efeito das munições, como por exemplo, a fragmentação, o impacto e a explosão.

Sendo assim, o foco da produção deve ser em explosivos que serão compostos por uma combinação de aquecimento, explosão e fragmentação, suficientemente potente para destruir qualquer ameaça, afirma Stutzhiem à revista The National Interest.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas