Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Forças Armadas russas receberão novos robôs de inteligência artificial (VIDEO)

No início da década de 2020, novos equipamentos de reconhecimento submarino e torres com metralhadoras com inteligência artificial serão entregues ao exército do país.


Nikolai Litôvkin | Russia Beyond

No início de outubro, a fábrica russa de armas e equipamentos de defesa o Consórcio Kalashnikov apresentou um novo módulo de combate parecido com uma torre com metralhadoras que funcionará com base em tecnologia de inteligência artificial (IA).


Resultado de imagem para forças Armadas russas receberão novos robôs de inteligência artificial
Marina Lystseva/TASS

O novo robô da Kalashnikov, com metralhadoras de calibre de 12,7 mm, funciona com base em tecnologias de redes neurais e pode detectar alvos, avaliar sua prioridade e destruí-los um a um, dependendo do nível de ameaça.

O módulo pode, por exemplo, perceber que é preciso destruir veículos blindados antes de destruir alvos únicos. Ao mesmo tempo, o operador pode desabilitar as funções do IA e assumir o controle manual.

O robô pode ser usado não apenas contra alvos terrestres, como infantaria ou veículos blindados, mas também contra alvos marítimos e aéreos. Assim, o módulo é uma arma eficaz contra pequenos veículos aéreos não tripulados amplamente usados por militares.

A arma também pode ser instalada como parte de uma rede várias torres conectadas a uma única rede para ação coordenada.

De acordo com o Consórcio Kalashnikov, o módulo pode tomar decisões independentes e diferenciar os animais dos humanos.

“A IA do robô tem um banco de dados de alvos pré-instalados que contém informações sobre sua aparência, movimento, irradiação térmica. O banco de dados é atualizado constantemente por meio de algoritmos de autoaprendizagem”, explicou o porta-voz do Consórcio Kalashnikov.

A instalação dos módulos de combate em instalações militares poderá excluir o fator humano, como a perda de vigilância ou fadiga.

Atualmente, o módulo está sendo testado pela fábrica. Caso os testes sejam bem-sucedidos, esta poderá ser a primeira torre com metralhadoras controlada por IA na Rússia.

Robôs de reconhecimento subaquático

O Consórcio Kalashnikov também está desenvolvendo o novo sistema “Harmonia” que consiste em uma rede de estações robóticas localizadas no fundo do mar.

O sistema realiza o monitoramento acústico do oceano usando sonares. Cada robô pode operar a temperaturas entre 10 graus Celsius negativos e 45 graus Celsius positivos.

"Os militares russos planejam instalar essas estações em águas neutras para controlar os submarinos estratégicos dos EUA, Reino Unido e França”, explica o analista militar Dmítri Safonov.

“Os Estados Unidos também estão implantando sistemas de reconhecimento semelhantes nos mares Norueguês, de Barents e no Mar do Japão. Eles estão observando os submarinos russos não apenas com a ajuda de sistemas marítimos, mas também com satélites”, diz Safonov.

Segundo ele, o novo sistema poderá cobrir completamente as fronteiras russas e monitorar o movimento de submarinos em águas neutras já no início da década de 2020.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas