Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Governo saudita: Jamal foi asfixiado e teve corpo enrolado em tapete

Nova tese sobre a morte de Khashoggi é dada por um membro do governo saudita que pede anonimato


Pars Today

O jornalista saudita Jamal Khashoggi teria sido morto por estrangulamento e o seu corpo enrolado em um tapete, para poder ser retirado da embaixada saudita, em Istambul, na Turquia. O anúncio foi feito por um membro do governo saudita, conta o Daily Mail.


Governo saudita: Jamal foi asfixiado e teve corpo enrolado em tapete

Esta mesma fonte acrescenta que um dos 15 homens que foram escolhidos para confrontar o jornalista, no dia 2 de outubro, vestiu as roupas de Khashoggi, após a sua morte, e saiu do edifício para que as autoridades acreditassem que se tratava dele.

Estas novas alegações, feitas sob anonimato, contradizem as explicações anteriores fornecidas pela Arábia Saudita e que criaram algum ceticismo a nível internacional.

Segundo esta nova versão, Jamal Khashoggi teria sido ameaçado de que seria drogado e raptado. O jornalista teria mostrado resistência e acabou por ser asfixiado até a morte.

Khashoggi era colunista no Washington Post e um grande critico do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman. O jornalista desapareceu no início de outubro depois de ter ido ao consulado obter documentos para se casar.

A Arábia Saudita já havia reconhecido que o jornalista foi morto no seu consulado em Istambul, na Turquia, mas alegava ter-se tratado de um acidente na sequência de uma luta.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas