Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Guarda Revolucionária do Irã promete manter presença 'eficaz' na Síria

Os conselheiros militares do Irã continuarão na Síria enquanto Teerã considerar sua presença "eficaz e útil" e em conformidade com as demandas de Damasco, informou o porta-voz do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã, brigadeiro-general Ramezan Sharif.


Sputnik

Em uma entrevista ao canal iraniano Press TV, Sharif declarou que, desde o início da crise síria, Teerã tem respeitado as normas internacionais ao apoiar o governo da Síria.


Militares do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (CGRI) marcham durante uma parada militar em homenagem à Guerra Irã-Iraque, de 1980-1988
Militares iranianos © REUTERS / MORTEZA NIKOUBAZL

"Esta crise fabricada foi levada do exterior para instigar a insegurança na Síria e criar uma margem de segurança para o regime israelense", afirmou ele.

Sharif sublinhou também que Israel engana todo o mundo quando se refere ao Irã e acusou Tel Aviv de atuar como "manequim político" na vitrine dos EUA.

Em setembro, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que o governo iraniano possuiria um armazém secreto no qual levava adiante o seu programa nuclear, apesar das promessas de transparência feitas no acordo nuclear firmado em 2015.

O chanceler do Irã, Mohammad Javad Zarif, por sua vez, declarou que “Israel é o único regime na região com um programa de armas nucleares secreto e não declarado, incluindo o atual arsenal atômico”.

As tensões entre Israel e o Irã têm aumentado recentemente, com Tel Aviv acusando Teerã de ser aliado de Damasco e de tentar aumentar sua presença militar na Síria. O Irã tem negado repetidamente a presença de suas tropas na Síria, afirmando que apenas enviou seus conselheiros militares para ajudarem o governo sírio no combate aos terroristas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas