Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Imprensa: EUA ainda precisam de 8 anos para terminar seu novo míssil de cruzeiro nuclear

O presidente dos EUA Donald Trump afirmou recentemente que o país continuará a desenvolver seu estoque de armas nucleares até que a Rússia e a China, duas nações nucleares, "retomem a razão". Porém, levará pelo menos oito anos até que os EUA consigam terminar o desenvolvimento de seu novo míssil nuclear.


Sputnik

O míssil de cruzeiro nuclear conhecido como LRSO (Long-Range Stand-Off, em inglês), uma arma estratégica vital no arsenal dos EUA, está apenas no primeiro ano de seu desenvolvimento, previsto para 9 anos, disse um executivo sênior da Lockheed Martin ao portal Military.com


Imagem relacionada
Long Range Stand Off (LRSO) Missile


O LRSO deverá substituir o míssil de cruzeiro de lançamento aéreo ALCM (Air-launched cruise missile, em inglês), desenvolvido nos anos 1980.

Segundo o vice-presidente executivo da construtora, Frank St. John, o programa de desenvolvimento do míssil prevê nove anos e depois cinco anos de produção.

Houve discussões para acelerar o processo de produção da arma, mas, de acordo com Frank St. John, a fase de desenvolvimento poderá ser reduzida no máximo em alguns meses.

Quando se trata do desenvolvimento de um míssil de tanta importância, o prazo não pode simplesmente ser cortado pela metade, ressalta o dirigente. É que o ritmo de desenvolvimento do míssil depende do ritmo do desenvolvimento da carga, explica St. John, e seria inútil ter a armas antes de ter a respetiva carga.

Mesmo quanto o desenvolvimento estiver completo, "há muitos trabalhos de simulação que continuam", além de protocolos de certificação, que levam muito tempo, diz o executivo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas