Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Israel corta o limite da zona de pesca de Gaza em meio a confrontos de manifestantes

O ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, ordenou neste sábado a redução do limite da zona de pesca para a Faixa de Gaza de nove para seis milhas náuticas em meio a protestos violentos na fronteira com o enclave, relatou a rede de TV Kan.


Sputnik

De acordo com a emissora Kan, a decisão foi tomada após os confrontos fronteiriços de sexta-feira entre palestinos e tropas israelenses.

Confronto entre palestinos e israelenses em Gaza | Reprodução

Na véspera, cerca de 20.000 palestinos participaram de confrontos com as Forças de Defesa de Israel (FDI) na fronteira da Faixa de Gaza, lançando granadas contra os soldados israelenses e tentando romper a cerca da fronteira, segundo o serviço de imprensa das FDI. Pelo menos dois palestinos foram mortos e mais de 370 ficaram feridos.

Os confrontos na área se intensificaram no final de março, quando manifestantes palestinos iniciaram uma campanha em larga escala, apelidada de Grande Marcha do Retorno, levando a tentativas de suprimir os ataques das forças israelenses.

A violência atingiu o auge em maio, em meio à abertura da embaixada dos EUA em Jerusalém, no momento do aniversário do estabelecimento do Estado de Israel. Desde então, mais de 60 palestinos foram mortos e mais de 2.700 outros foram feridos pelas forças israelenses no decorrer dos dias.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas