Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Israel exigirá novas armas dos EUA em resposta aos S-300 na Síria, prevê analista

Após a entrega dos sistemas russos S-300 à Síria, Jerusalém irá pressionar Washington para fornecer novas armas, disse à Sputnik Árabe o professor e especialista egípcio em assuntos israelenses, Muhammad Ali.


Sputnik

Segundo o analista, a recente declaração no Facebook do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, sobre o direito de autodefesa do país confirma sua suposição.

Presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu
Donald Trump e Benjamin Netanyahu © REUTERS / Ariel Schalit/Pool

"Israel entende que, após a entrega do S-300 à Síria, não será mais capaz de fornecer assistência emergencial aos militantes, como fazia antes, atacando instalações militares sírias do ar", disse o especialista.

Tel Aviv está perdendo instrumento de influência na situação síria, por isso agora todos os esforços serão direcionados para receber novo armamento, destaca.

"Donald Trump não está interessado em construir um confronto com a Rússia na Síria. O presidente americano está agora ocupado com inúmeros problemas e crises dentro de seu próprio país. Além disso, a agitação não diminuiu após a transferência da embaixada americana para Jerusalém", confirmou o professor.

Na terça-feira (2), o premiê israelense agradeceu aos EUA pelo apoio incondicional ao direito do Estado judeu em sua autodefesa, além da ajuda militar.

"Agradeço ao governo e ao Congresso dos EUA pelo compromisso com Israel e pelo pacote de assistência americana para a próxima década", acrescentou o chefe de Gabinete israelense.

Um memorando assinado em 2016 entre Israel e EUA sobre a cooperação em segurança prevê a assistência de Washington a Jerusalém no valor de US$ 38 bilhões (R$ 146 bilhões) no período de 2019 a 2028.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas