Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Jornal alemão explica por que EUA necessitam do 'estatuto especial' de Donbass

A Ucrânia prolongou, de novo, até 2019, a vigência da lei sobre o estatuto especial das regiões de Donetsk e Lugansk, mostrando que as autoridades de Kiev não pretendem ouvir a voz das repúblicas rebeldes, escreve o jornal alemão Junge Welt.


Sputnik

O jornal sublinha que o estatuto especial de Donbass é uma ficção. Supõe-se que este deve ser estabelecido após a realização de eleições regionais segundo a legislação ucraniana. No entanto, na realidade, isso pode pôr fim a ambas as repúblicas.


Resultado de imagem para eua ucrania
Instrutores dos EUA chegam à Ucrânia | Reprodução

De acordo com a mídia, o problema consiste em que essa lei, formalmente, se baseia nos Acordos de Minsk, que preveem a retirada dos armamentos, uma anistia e outras facilidades para os moradores das duas regiões, medidas que devem ter tomadas por parte da Ucrânia. A questão é que Kiev não quer ouvir falar sobre isso, sendo sua posição apoiada pelos EUA.

Se a lei não fosse prolongada, a Ucrânia automaticamente se converteria em parte que viola os Acordos de Minsk. Nesse caso, é bem possível que a questão fosse resolvida por meios militares, o que levaria a uma guerra. Caso isso aconteça, o mais provável é que o resultado seja negativo para as autoridades de Kiev, escreve a edição.

Ora, os parceiros ocidentais da Ucrânia, especialmente os EUA, não desejam tal cenário. É vantajoso para eles que a situação permaneça "congelada" e que esta "ferida" na fronteira com a Rússia continue sangrando, pois consome recursos e pode ser agravada em qualquer momento se for preciso.

Nessa conexão, os EUA continuam estimulando o renascimento do nacionalismo, permitindo, por exemplo, introduzir a saudação fascista no Exército, aponta o artigo.

"O renascimento da saudação fascista é uma espécie de chouriço para o nacionalismo, que agora o cão de guarda ucraniano de Washington está petiscando. Deixam o cachorro ladrar e até mesmo o incentivam. Mas ainda não tem direito de morder", conclui a edição.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas