Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Matteo Salvini critica e pede fim das sanções da UE contra a Rússia: "Uma loucura"

O ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini, pediu nesta quarta-feira o fim das sanções impostas pela União Europeia (UE) à Rússia após a anexação da Crimeia, medidas que classificou como "loucura".


EFE

Roma - Em evento realizado junto a empresários italianos e russos em Moscou, Salvini disse que "as sanções contra a Rússia são uma loucura econômica, social e cultural".


EFE/Giuseppe Lami
Matteo Salvini | EFE/Giuseppe Lami

Salvini, líder do partido de extrema-direita Liga, considerou "absurdo" que a UE sancione a Rússia e, por outro lado, "financie e bajule" a Turquia, apesar de ocupar militarmente parte do Chipre há quatro décadas.

"Estamos sancionando a Rússia por eventuais violações contra a Ucrânia e financiando e bajulando um país estrangeiro que ocupa militarmente um dos 27 países da UE (sem contar com o Reino Unido). É uma loucura", comentou.

Muito crítico em relação às sanções europeias contra a Rússia, Salvini essas medidas prejudicam os intercâmbios comerciais dos empresários italianos.

Salvini é admirador do presidente russo Vladimir Putin e esta é a segunda vez que viaja para a Rússia após chegar ao governo, depois de assistir à final da Copa do Mundo em julho, quando se reuniu com o ministro de Interior russo, Vladimir Kolokoltsev.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas