Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Militares britânicos desenvolvem exercícios em grande escala em Omã

As Forças Armadas do Reino Unido realizam manobras de grande magnitude em Omã, centradas essencialmente em possíveis respostas às estratégias táticas e combates com o Exército da Rússia, divulgou hoje o diário The Times.


Prensa Latina
Londres - 'Estamos tratando de pôr-nos na contramão daqueles que poderiam estar melhor equipados, de quem poderiam ter a melhor capacitação e que nos dariam nossos desafios mais difíceis', citou o jornal o brigadeiro Zac Stenning, comandante das forças terrestres nestas operações.


De acordo com o meio de imprensa, os exercícios Saif Sareea-3 constituem os 'maiores jogos de guerra' britânicos em 17 anos, portanto envolvem cinco mil e 500 militares, 200 veículos blindados, seis navios de guerra, um porta aviões, oito aviões caça Eurofighter Typhoon e um trator blindado desenhado para a remoção de minas.

A informação revela que desde o início de outubro e até o dia 3 de novembro as tropas simularão combates com os efetivos russos, onde participam veículos blindados ligeiros, na hipótese de que estes representam os tanques de batalha russos T-72. Durante os ensaios utiliza-se uma frota de drones voadores não tripulados, estimados em mil libras esterlinas (mil 300 dólares) cada um, algo sem precedentes em eventos deste tipo.

Nos últimos anos, o Governo da Rússia tem reiterado seu compromisso com a paz e a estabilidade mundiais; no entanto, os membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) aumentam seu poderio militar na Europa do Leste e os países bálticos utilizando a suposta agressão russa como principal justificativa.

Analistas internacionais advertem que com a chegada do presidente estadunidense, Donald Trump, à Casa Branca começou a pressão dentro da Aliança com o propósito de impulsionar a corrida armamentista, da qual depende em boa medida a economia de sua nação.

Em julho de 2016, a OTAN aprovou um incremento de sua presença militar no leste da Europa que incluiu o deslocamento de quatro batalhões multinacionais na Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia no marco de uma política de contenção da Rússia.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas