Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Moscou: instalação de sistemas Mk-41 pelos EUA na Polônia e Romênia contradiz tratado INF

A instalação dos sistemas de lançamento de mísseis Mk-41 pelos EUA no território da Romênia e Polônia contradiz o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF, na sigla em inglês), declarou o chefe do Departamento para a Não Proliferação e Controle de Armamentos da chancelaria russa, Vladimir Ermakov.


Sputnik

"Há também sérias perguntas no que diz respeito às ações dos nossos colegas norte-americanos que contradizem o tratado INF, incluindo a instalação terrestre dos sistemas de lançamento universais Mk-41 na Romênia e Polônia", declarou Ermakov durante debate geral do Primeiro Comitê da Assembleia Geral da ONU.

Sistema de lanzamiento vertical MK-41
Sistema de lançamento vertical Mk-41 | CC0 / US Navy / Leah Stiles

Além disso, ele declarou que a Rússia está pronta para discutir o prolongamento do Tratado START-3 (Tratado sobre a Redução de Armas Estratégicas, assinado pela Rússia e EUA em 2010) por mais cinco anos se todas as questões sobre seu cumprimento forem acordadas pelos EUA.

Segundo o diplomata, a Rússia insiste no desenvolvimento de um acordo jurídico para proibição da instalação de armas nucleares no espaço pela ameaça do início de uma corrida armamentista espacial e por minar a segurança e estabilidade globais.

Em maio de 2018, o presidente norte-americano, Donald Trump, acusou a Rússia de violar o tratado INF e ordenou que o secretário de Estado, Mike Pompeo, preparasse propostas de restrições em relação à Rússia por causa de supostas violações.

O Kremlin, por sua vez, declarou que a Rússia nunca violou o acordo.

Assinado em 1987, o Tratado INF surgiu para eliminar mísseis balísticos e de cruzeiro, nucleares ou convencionais, com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros. Além disso, o acordo permite que qualquer uma das partes inspecione instalações militares da outra.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas