Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Diretor de Projetos da Marinha do Brasil diz que Programa Tamandaré não será afetado por cortes no orçamento

Convidado para falar a empresários catarinenses durante a reunião do Comitê da Indústria da Defesa (Comdefesa), da Fiesc, o vice-almirante Petronio Augusto Siqueira de Aguiar, diretor de Projetos da Marinha do Brasil, garantiu na manhã desta quinta-feira que o bloqueio de verbas do governo federal não vai afetar o andamento do projeto de construção de quatro navios da Marinha em Itajaí.
Poder Naval

Ele confirmou que o recurso previsto para a empreitada, de R$ 2,5 bilhões, está contingenciado – mas acredita que isso será revertido no segundo semestre. – Esse projeto não tem volta. O Brasil e a Marinha precisam modernizar a frota – afirmou.

A Marinha foi a principal atingida pelo bloqueio de verbas no setor de Defesa, que soma R$ 13 bilhões. O recurso para as corvetas está com a Emgepron, empresa de projetos da Marinha que negocia os termos do contrato com o consórcio Águas Azuis, vencedor da concorrência pública para construção das embarcações.

O grupo tem entre as consorciadas a alemã Thys…

Nota do Consórcio Villegagnon referente à short list do Projeto Corveta Classe Tamandaré da Marinha do Brasil

O CONSÓRCIO VILLEGAGNON (Naval Group, Construtora Norberto Odebrecht, Odebrecht Serviços de Engenharia, Estaleiro Enseada Indústria Naval e Mectron) recebeu com honra e satisfação sua inclusão, pela Marinha do Brasil (MB), na short list para o Projeto Corveta Classe Tamandaré (CCT). 


Poder Naval

Na oportunidade, o Consórcio reafirma o compromisso de apresentar, na próxima fase do processo, uma proposta final que, além de atender às exigências da MB, alcance o objetivo de dotar a esquadra brasileira de novos meios navais com equipamentos e sistemas de última tecnologia, dentro de um prazo bastante curto. Além disso, a proposta do Consórcio capacitará a MB para a construção de navios de guerra de alta tecnologia, bem como para o desenvolvimento de sistemas de combate de última geração.

Imagem relacionada
Corveta Gowind do Naval Group


A inclusão na short list amplia a cooperação entre o Naval Group e a MB, já existente no Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB), que lançará ao mar, no próximo mês de dezembro, o Submarino Riachuelo, primeiro da classe S-BR. A transferência de tecnologia e o envolvimento significativo da indústria brasileira – marcas notáveis do PROSUB – terão destaque na proposta final do Consórcio Villegagnon.

O navio proposto à Marinha pelo Consórcio é uma corveta Gowind classe 3000, com 3.200 toneladas de deslocamento, o que lhe confere plena capacidade oceânica. Trata-se de um navio “sea proven” (testado no mar), com uma unidade já em operação há um ano, no Egito. Uma segunda unidade, construída em um estaleiro civil local, mediante transferência de tecnologia do Naval Group, já foi lançada ao mar, em setembro último, havendo outras duas corvetas em construção nesse mesmo estaleiro. Da mesma forma, na Malásia, foi construída e lançada ao mar a primeira unidade da classe, de uma série de seis, também mediante transferência de tecnologia para uma empresa local, a Boustead Naval Shipyard (BNS).

No momento em que se prepara para apresentar sua proposta final, conforme as regras do processo de escolha da Marinha, o Consórcio Villegagnon reitera seu compromisso de oferecer a melhor tecnologia com o menor custo possível, aí considerados os aspectos orçamentários de manutenção e de ciclo de vida, de modo a assegurar que sua proposta constitua uma escolha vantajosa para o Programa CCT, um programa da mais alta importância estratégica para a Marinha e o Brasil.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas