Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA vão suspender Tratado INF se Rússia não cumprir acordo, diz vice-secretário de Estado

Os EUA vão suspender suas obrigações no Tratado INF, que trata a respeito armas nucleares de médio alcance, no dia 2 de fevereiro se a Rússia não apresentar provas de que está cumprindo o acordo, disse o vice-secretário de Estado.
Sputnik

Em outubro, o presidente dos EUA anunciou que seu país abandonaria o Tratado INF, assinado pelos Estados Unidos e pela União Soviética em 1987.


Trump argumentou que Moscou estava desenvolvendo mísseis que violam esse pacto.

Em 4 de dezembro, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que Washington suspenderia sua adesão ao INF no prazo de 60 dias se a Rússia não voltasse a cumprir suas obrigações.

No entanto, a Rússia nega categoricamente todas as acusações. O líder russo, Vladimir Putin, declarou que Moscou se opõe à violação do Tratado INF, mas responderá se isso acontecer.

Pentágono estaria desenvolvendo 'superarma' de longo alcance, diz especialista

Segundo Sebastien Roblin da revista The National Interest, o Pentágono estaria desenvolvendo um projeto de canhão estratégico de longo alcance para destruir alvos a 2.100 quilômetros.


Sputnik

Esta "superarma" seria um sistema de artilharia capaz de bombardear cidades localizadas muito no interior da linha da frente. Anteriormente, armas como essas foram utilizadas pelo Império Alemão durante a Primeira Guerra Mundial. Os alemães desenvolveram um dispositivo de 211 mm para bombardear a capital francesa a cerca de 128 quilômetros.


Canhão de um tanque (imagem referencial)
© Sputnik / Mikhail Voskresensky

O fato se repetiu durante a Segunda Guerra Mundial, quando Hitler construiu o "supercanhão" V-3 para bombardear Londres. Porém, as tropas aliadas de Londres evitaram a utilização do V-3 contra o alvo.

Durante a Guerra Fria, os norte-americanos utilizaram a artilharia de longo alcance, como o M109A5, um blindado autopropulsado de 155 mm capaz de destruir alvos a 35 quilômetros.

Existiram outros armamentos de longo alcance no decorrer dos anos, mas o último deste tipo foi o Projeto Babilônia, projetado pelo engenheiro canadense Gerald Bull sob encomenda para Saddam Hussein. Entretanto, o projeto foi destruído antes de ser completado, segundo o artigo publicado pela revista The National Interest.

Atualmente, os EUA voltaram a pensar em uma "superarma" para ser utilizada contra insurgências e em grandes conflitos que possam vir a ocorrer no futuro. Com essa "superarma" o país acredita que seria capaz de lidar com conflitos aéreos ou com os novos sistemas russos de longo alcance S-400, já que estes sistemas são grandes obstáculos para as operações norte-americanas.

A artilharia pesada com mísseis táticos pode se tornar a peça chave no campo de batalha contra os sistemas de defesa antiaéreos e radares, já que haveria a possibilidade de destruí-los.

O programa de criação da "superarma" foi mencionado recentemente pelo general John Murray, segundo o qual o país está "analisando seriamente um meio de iniciar a produção de mísseis hipersônicos, bem como o que chamamos de Canhão Estratégico de Longo Alcance, que poderia destruir alvos a 1.852 quilômetros".

Porém, a criação de uma arma como essa não significaria de fato que seria possível atingir o alvo, visto que isso dependeria de uma combinação de fatores, como o combustível e o comportamento do míssil durante o voo.

Além disso, o Exército norte-americano está planejando construir um míssil hipersônico com alcance aproximado de 2.222 quilômetros.

Possivelmente, os EUA estão procurando meios de combater as atuais forças da Rússia e da China, visto que, em entrevistas anteriores, altos responsáveis norte-americanos assumiram que o Exército dos EUA não tem condições de enfrentar outras potências, que estão elevando seu poderio militar.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas