Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Prenúncio de provocações? 2 batalhões nacionalistas abandonam Donbass

O grupo paramilitar autodenominado Exército Voluntário da Ucrânia (UDA, na sigla em ucraniano) anunciou a retirada de dois dos seus batalhões da linha de combate com a milícia de Donbass. Representantes da autoproclamada República Popular de Donetsk comentaram a saída dos batalhões nacionalistas à Sputnik.


Sputnik

Segundo afirmou recentemente Dmitry Yarosh, deputado de extrema-direita ucraniano e atual líder do UDA, os dois batalhões "saem da linha de frente, mas não abandonam a guerra", para começar a treinar unidades de defesa territorial por todo o país.


Homens vestindo uniforme militar com distintivos do Setor de Direita
Tropas paramilitares Setor de Direita ucranianos © Sputnik / Aleksei Vovk

Anteriormente, Yarosh encabeçava o Setor de Direita, organização extremista proibida na Rússia.

Um representante do comando operacional da República Popular de Donetsk (RPD) acredita que a saída dos batalhões nacionalistas do território de Donbass terá efeito um positivo na linha de contato.

"A sua saída tem a ver com o início da luta pelo poder na véspera das eleições presidenciais na Ucrânia. É possível que estas unidades participem de provocações no território ucraniano", acrescentou o interlocutor.

O Setor de Direita é uma união de organizações radicais nacionalistas que, desde 2014, é considerado na Rússia organização extremista proibida.

Em abril de 2014, a Ucrânia iniciou uma operação militar nas províncias orientais de Donetsk e Lugansk, onde foram proclamadas repúblicas populares em resposta ao violento golpe de Estado que ocorreu em Kiev em fevereiro do mesmo ano.

Naquele mês, o movimento extremista Setor de Direita participou em confrontos com a polícia e na tomada de edifícios públicos na capital ucraniana. Em abril, batalhões nacionalistas se transferiram para Donbass para reprimir os protestos dos cidadãos.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas