Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Reino Unido segue exemplo dos EUA e suspende voos de caças F-35

Seguindo o exemplo dos EUA, Reino Unido suspende voos de sua frota de caças furtivos F-35, cada um custando US$ 158,5 milhões, após a queda de um dos aviões dos EUA em setembro.


Sputnik

O Reino Unido recebeu 15 caças F-35 em junho e agora estes estão sendo examinados para determinar se o acidente com um F-35B do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA na Carolina do Sul foi causado por uma falha em um tubo de combustível.

Reino Unido recebe seus primeiros quatro caças F-35B da Lockeed Martin
Lockheed Martin F-35 Lightning II da RAF © Foto: Domínio Público/Robert Sullivan

"Segurança é nossa preocupação primordial, então o Reino Unido decidiu suspender os voos de alguns F-35 como medida de precaução enquanto estamos considerando os resultados da investigação em curso", afirmou o porta-voz do Ministério da Defesa britânico citado pelo The Guardian.

A entidade acrescentou, porém, que os testes desde o porta-aviões HMS Queen Elizabeth continuam e que o programa permanece na agenda.

A Força Aérea Real possui 15 aviões F-35B e planeja adquirir no total 138 aeronaves para serem operados também pela Marinha.

Anteriormente, os EUA suspenderam todas as operações de seus caças F-35 por todo o mundo após um F-35 Lightning II ter caído em setembro passado.

Israel também seguiu o exemplo dos Estados Unidos e suspendeu os voos de caças F-35I para realizar testes dos aparelhos, apesar de o incidente ter ocorrido com um modelo que não é usado pela Força Aérea israelense.

Sendo o maior projeto de armas deste tipo e o mais caro no mundo, os caças furtivos americanos têm sofrido inúmeros problemas que fizeram saltar o preço.

Alguns também temem que os aviões não poderão funcionar propriamente devido a deficiências nos sistemas técnicos usados nos caças de nova geração.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas