Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Reino Unido segue exemplo dos EUA e suspende voos de caças F-35

Seguindo o exemplo dos EUA, Reino Unido suspende voos de sua frota de caças furtivos F-35, cada um custando US$ 158,5 milhões, após a queda de um dos aviões dos EUA em setembro.


Sputnik

O Reino Unido recebeu 15 caças F-35 em junho e agora estes estão sendo examinados para determinar se o acidente com um F-35B do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA na Carolina do Sul foi causado por uma falha em um tubo de combustível.

Reino Unido recebe seus primeiros quatro caças F-35B da Lockeed Martin
Lockheed Martin F-35 Lightning II da RAF © Foto: Domínio Público/Robert Sullivan

"Segurança é nossa preocupação primordial, então o Reino Unido decidiu suspender os voos de alguns F-35 como medida de precaução enquanto estamos considerando os resultados da investigação em curso", afirmou o porta-voz do Ministério da Defesa britânico citado pelo The Guardian.

A entidade acrescentou, porém, que os testes desde o porta-aviões HMS Queen Elizabeth continuam e que o programa permanece na agenda.

A Força Aérea Real possui 15 aviões F-35B e planeja adquirir no total 138 aeronaves para serem operados também pela Marinha.

Anteriormente, os EUA suspenderam todas as operações de seus caças F-35 por todo o mundo após um F-35 Lightning II ter caído em setembro passado.

Israel também seguiu o exemplo dos Estados Unidos e suspendeu os voos de caças F-35I para realizar testes dos aparelhos, apesar de o incidente ter ocorrido com um modelo que não é usado pela Força Aérea israelense.

Sendo o maior projeto de armas deste tipo e o mais caro no mundo, os caças furtivos americanos têm sofrido inúmeros problemas que fizeram saltar o preço.

Alguns também temem que os aviões não poderão funcionar propriamente devido a deficiências nos sistemas técnicos usados nos caças de nova geração.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas